Idec lança pesquisa online sobre rotulagem nutricional

03/07/2016 21:40
O Idec quer saber a opinião dos consumidores sobre as regras de rotulagem nutricional brasileiras. Para isso, lançou esta semana um formulário de pesquisa online para coletar dados e informar a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre as considerações da população. 
A pesquisa está disponível AQUI. As respostas também serão utilizadas para o desenvolvimento de um trabalho acadêmico sobre o tema. É importante o envolvimento de todos.
O aumento do consumo de alimentos ultraprocessados e, consequentemente, da ingestão excessiva de calorias, de sódio, gorduras e açúcar têm relação direta com o aumento da obesidade, diabetes, pressão alta e outras doenças crônicas não transmissíveis, que vem acontecendo em muitos países do mundo, inclusive no Brasil.
“Diante desse cenário, é fundamental tornar a informação nutricional no rótulo dos alimentos mais clara para que o consumidor possa fazer escolhas mais saudáveis”, explica Ana Paula Bortoletto, nutricionista e pesquisadora do Idec.
Desde 2014, um Grupo de Trabalho da Anvisa se reune com o objetivo de revisar a norma de rotulagem nutricional de alimentos no Brasil. O Idec fez parte deste grupo e, agora, pretende consolidar suas recomendações à agência com a opinião dos consumidores.
Novas regras de rotulagem no mundo
A melhoria das regras de rotulagem de alimentos é uma das estratégias da Organização Mundial da Saúde (OMS) e outros órgãos internacionais para facilitar escolhas alimentares mais saudáveis.
Muitos países já adotam regras para destacar algumas informações nutricionais importantes na parte da frente da embalagem, fazendo com que os dados sejam mais claros e compreensíveis.
Um desses países é o Chile, onde entra em vigor hoje uma nova norma de rotulagem nutricional frontal. Os novos rótulos chilenos informam em destaque se o produto contém teores altos de açúcar, sódio, gorduras saturadas e calorias.
No Brasil, não existe nenhuma regra para a rotulagem frontal, mas alguns fabricantes utilizam esse modelo de forma voluntária.

fonte: Asbran

Influence of menu labeling on food choices in real-life settings: a systematic review

03/07/2016 21:35

Artigo de revisão sistemática sobre informações nutricionais em restaurantes e escolhas alimentares, com extensa discussão sobre tipos de informação e questionamento sobre o papel da informação de calorias em escolhas alimentares saudáveis.

Autores: 

Abstract

Context: Evidence that menu labeling influences food choices in real-life settings is lacking. Reviews usually focus on calorie counts without addressing broader issues related to healthy eating. Objective:This systematic review assessed the influence of diverse menu-labeling formats on food choices in real-life settings. Data Sources: Several databases were searched: Cochrane Library, Scopus, MEDLINE, Web of Science, Food Science and Technology Abstracts, Biological Abstracts, CAB Abstracts, EconLit, SciELO, and LILACS. Study Selection: Articles reporting experiments, quasi-experiments, and observational studies using control or preintervention groups were selected blindly by two reviewers.Data Extraction: Data was extracted using a standard form. Analyses differentiated between foodservice types. The quality of the 38 included studies was assessed blindly by two reviewers. Data Analysis: The results were mixed, but a partial influence of menu labeling on food choices was more frequent than an overall influence or no influence. Menu labeling was more effective in cafeterias than in restaurants. Qualitative information, such as healthy-food symbols and traffic-light labeling, was most effective in promoting healthy eating. In general, the studies were of moderate quality and did not use control groups. Conclusions: Calorie labeling in menus is not effective to promote healthier food choices. Further research in real-life settings with control groups should test diverse qualitative information in menu labeling.

Para ter acesso ao artigo completo clique: Fernandes et al 2016 Nutrition Reviews

When Food + Label = Fable

03/07/2016 21:24

No mês passado, os EUA Food and Drug Administration (FDA) anunciou uma revisão da rotulagem da Informação Nutricional para alimentos embalados. A mudança que destaca-se relaciona-se ao negrito e tamanho da fonte da informação sobre calorias. O FDA acredita que a rotulagem clara de calorias é fundamental para ajudar os consumidores a fazer escolhas mais saudáveis. No entanto, a quantidade de calorias de um produto não é realmente o problema para a saúde do consumidor. Na verdade, fazer escolhas baseadas em contagens de calorias dos alimentos embalados poderia levar a escolhas menos saudáveis e piores para saúde de modo geral.

Para acessar a notícia completa acesse aqui 

Tradução livre

 

Critérios para entrar no clube. Tese investiga metodologia dos rankings de excelência acadêmica para compreender o desempenho das universidades brasileiras

21/06/2016 19:07

Uma tese de doutorado defendida em 2015 na Universidade de São Paulo (USP) reuniu um conjunto de dados e argumentos que ajuda a compreender por que o Brasil tem um desempenho relativamente modesto em rankings internacionais de universidades. A pesquisa, feita por Solange Maria dos Santos, coordenadora de produção e publicação da biblioteca eletrônica SciELO, analisou uma década de produção científica brasileira (2003-2012) e esmiuçou a metodologia adotada por seis desses rankings para entender, por exemplo, por que há discrepância no número de instituições brasileiras entre as melhores do mundo – um deles registra apenas duas instituições nesse clube, enquanto outros enxergam até 22. Outra questão abordada envolve um aparente paradoxo: se o Brasil tem bom desempenho em rankings vinculados a certas áreas do conhecimento, como medicina e agronomia, por que isso não se reflete nos rankings gerais?

Segundo a pesquisadora, parâmetros de seleção adotados pelos rankings limitam a participação de mais universidades do país. “Um dos critérios de corte é o volume da produção indexada em bases internacionais. Por isso, grandes instituições, com indicadores robustos de pesquisa e ensino, têm mais chance de classificação. Os rankings selecionam um número restrito de instituições – na maioria das vezes, as 500 melhores – num universo de mais de 16 mil universidades no mundo”, diz Solange, que defendeu a tese na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP e realizou parte da pesquisa na Espanha, na Universidade Carlos III, de Madri.

Curiosamente, a relevância do volume da produção científica indexada também ajuda a explicar por que há mais universidades brasileiras em rankings hoje do que há 10 anos: o país investiu na profissionalização das revistas nacionais, por meio de iniciativas como a biblioteca eletrônica SciELO, e conseguiu aumentar o número de periódicos do Brasil em bases internacionais em meados dos anos 2000. Na Web of Science, por exemplo, o número de publicações brasileiras indexadas saltou de 26 em 2006 para 103 em 2008. “Um conjunto maior de artigos passou a ser considerado nos indicadores e mais universidades brasileiras tornaram-se visíveis para os rankings”, afirma.

026-029_Rankings_244-02Isso é perceptível, por exemplo, no ARWU, sigla para Academic Ranking of World Universities (arwu.org), da China. Quando ele foi criado, em 2003, apenas a USP, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a Estadual Paulista (Unesp) e a Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) apareciam entre as 500 melhores do mundo. Em 2007, a classificação passou a incluir a Federal de Minas Gerais (UFMG) e, em 2008, também a Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). A classificação do ARWU se baseia em parâmetros mais objetivos, como publicações e citações, número de pesquisadores com artigos altamente citados, existência de ex-alunos e professores que receberam um Prêmio Nobel ou uma Medalha Fields e proporção de professores com dedicação integral à universidade.

Já o ranking da britânica THE, sigla para Times Higher Education, registra apenas duas brasileiras entre as 500 melhores do mundo (USP e Unicamp). Entre 2008 e 2009, a UFRJ também apareceu na lista, mas não permaneceu. Parte de seus critérios tem um viés subjetivo: um terço dos pontos vem de uma pesquisa de reputação acadêmica feita com pesquisadores em 133 países. A pontuação também leva em conta citações, presença de professores e alunos estrangeiros e orçamento para pesquisa.

O estudo constatou que mudanças de metodologia nos rankings costumam ser responsáveis por oscilações bruscas no desempenho das universidades. “Eu desconfio quando uma manchete de jornal diz que uma universidade caiu ou subiu 100 posições num ranking. Nenhuma instituição muda tanto de um ano para o outro”, explica. Um caso de mudança de metodologia envolveu o ranking da consultoria Quacquarelli Symonds (QS). A partir de 2010, ela passou a utilizar a base Scopus, da editora Elsevier, que reúne um número maior de revistas latino-americanas que o banco de dados usado anteriormente, o Web of Science, da Thomson Reuters. Como parte dos pontos atribuídos vincula-se a citações dos artigos de docentes, o número de instituições brasileiras entre as mil melhores saltou de seis em 2010 para 22 em 2013. Neste ranking, 40% dos pontos têm origem numa pesquisa de reputação acadêmica e outros 10% em uma avaliação de empregadores da mão de obra formada pelas instituições. Tais pesquisas mudam a base de entrevistados periodicamente, o que gera oscilações nos resultados.

026-029_Rankings_244-03O fenômeno também foi detectado por uma dissertação de mestrado defendida em 2015 por Carlos Marshal França, professor de administração da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Ele comparou três rankings universitários de caráter nacional organizados por jornais ibero-americanos: o chileno El Mercurio, o espanhol El Mundo e o brasileiro Folha de S.Paulo – RUF. Observou que cada um tem uma forma de coletar dados. Enquanto o chileno se baseia em fontes de informação públicas e indicadores bibliométricos, o espanhol usa questionários respondidos pelas instituições e por professores. Já o brasileiro mescla dados públicos e entrevistas com professores e profissionais do mercado de trabalho – e tem promovido mudanças para aperfeiçoar a sua metodologia. O chileno apresentou os resultados mais estáveis: eventuais variações de um ano para o outro limitavam-se à perda ou à conquista de uma ou duas posições na escala. No Folha RUF, entre as 20 melhores universidades, houve mudanças de até sete posições de um ano para o outro.

Interpretação grosseira
A principal contribuição da tese de Solange é mapear o que cada um dos rankings está medindo, diz Samile Vanz, professora da Faculdade de Biblioteconomia da UFRGS. “Frequentemente, os rankings são interpretados de forma grosseira, sem que se entenda o que indicam”, diz. Para Samile, que atualmente estuda os rankings num estágio de pós-doutorado na mesma universidade espanhola onde Solange Santos realizou parte do doutorado, a produção brasileira continua a ser sub-avaliada. “Estou observando que vários rankings que utilizam como referência a base de dados Web of Science não levam em conta todas as coleções de revistas que estão lá dentro. É comum que selecionem duas ou três coleções principais e deixem de fora, por exemplo, o SciELO Citation Index, coleção na qual está boa parte da produção do país”, diz. Samile destaca que rankings não são instrumentos neutros. “É comum que empresas responsáveis pelos levantamentos vendam serviços associados aos dados e que as instituições listadas os utilizem em suas estratégias de marketing”, diz.

Segundo Solange Santos, as classificações têm dificuldade de mensurar todas as dimensões da qualidade acadêmica. “Os rankings medem o que é possível medir, não o que gostariam”, afirma. Indicadores objetivos, como produção científica, citações e pesquisadores premiados, podem ser apropriados para comparar instituições de todo o mundo, mas há dificuldades com parâmetros como reputação acadêmica e qualidade da formação dos recursos humanos. “Os rankings ainda não conseguem medir bem a qualidade do ensino, o engajamento regional das universidades e o impacto na sociedade”, exemplifica. Cada ranking tem uma metodologia própria. A classificação da Universidade Nacional de Taiwan, o NTU Ranking, hierarquiza as universidades com base em indicadores de pesquisa, como o índice-h, o número de artigos altamente citados e o de artigos publicados em revistas de alto impacto. O ranking da Universidade de Leiden, da Holanda, utiliza indicadores sobre o número de publicações e citações, com destaque para os que medem ciência de alto impacto e colaborações no exterior e com indústrias.

026-029_Rankings_244-04A parte mais demorada da pesquisa de Solange foi a análise de 10 anos de produção científica brasileira em bases de dados internacionais, por área do conhecimento. Constatou, em primeiro lugar, que as universidades do país não alcançam posições muito elevadas nos rankings porque, em geral, produzem ciência com baixo impacto. Em 2003, 37,5% das revistas brasileiras estavam no primeiro quartil, grupo que reúne as mais citadas nas respectivas disciplinas. Em 2012, esse percentual havia caído para 28,8%. Já o número de revistas brasileiras no quarto quartil, de menor impacto, cresceu 137% no período. A análise, porém, detectou áreas de excelência. A principal é a Medicina Clínica, graças a uma grande comunidade de pesquisadores que publicou 20,83% de toda a produção científica brasileira entre 2003 e 2012, segundo dados compilados pela pesquisadora. Apenas a USP é responsável por quase um terço dessa produção. No ranking temático da Times Higher Education de 2014, a USP apareceu em 79º lugar em Ciências Clínicas, Pré-Clínicas e da Saúde, e na 92ª posição em Ciências da Vida – no ranking geral, a universidade se classificou no intervalo entre a 201ª e a 225ª colocação.

Outras três áreas em que a pesquisa brasileira se distingue são Física, Geociências e Ciências Espaciais, que, assim como a Medicina, exibem boa capacidade de publicar em revistas de alto impacto. “Nessas áreas, pesquisadores brasileiros mantêm colaborações internacionais com grupos de alto nível. Mas, como a produção é relativamente pequena, isso não tem força para impulsionar as universidades nos rankings gerais”, diz Solange. Outro destaque são as Ciências Agrárias, com 9,62% da produção nacional, embora não se concentrem em publicações de alto impacto. “A produção em ciências agrárias faz com que universidades dedicadas a essa área, como a Federal de Viçosa, se destaquem em rankings temáticos”, afirma. No ranking por área da QS, algumas universidades brasileiras se destacam em Artes e Humanidades. Em Filosofia, Sociologia e História, USP e Unicamp aparecem entre as 100 melhores do mundo (ver Pesquisa FAPESP nº 186).

Rogério Mugnaini, professor da ECA-USP, chama atenção para um efeito dos rankings: eles reafirmam a influência de um conjunto de universidades de origem anglo-saxã utilizando critérios que nem sempre fazem sentido para instituições brasileiras. Um exemplo é o peso que alguns deles conferem à existência de cursos ministrados em inglês, algo frequentemente visto no Brasil como um fator de elitização do ensino superior. “As instituições de maior prestígio tendem a reforçar esse instrumento que ratifica sua posição original de domínio”, diz Mugnaini. Ele trabalha no desenvolvimento de indicadores da produção científica brasileira baseados nas referências do Currículo Lattes, que contêm teses, livros e documentos não usualmente indexados (ver Pesquisa FAPESP nº 233). Para Samile Vanz, é preciso aprofundar estudos sobre os rankings e propor formas de medir dimensões que interessem a comunidades científicas distantes dos países centrais. Ela observa, porém, que ignorar os rankings não é uma alternativa. “Eles servem como referência para a circulação de estudantes e pesquisadores estrangeiros e são importantes para a estratégia de internacionalização das nossas universidades”, diz.

Fonte: Revista Fapesp

Goiás sediará encontro sobre integridade científica em novembro

21/06/2016 19:02

A quarta edição do Brazilian Meeting on Research Integrity, Science and Publications (Brispe) será realizada nos dias 17 e 18 de novembro na Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia. O encontro tratará do papel de professores, editoras científicas e agências de fomento na promoção de uma cultura de integridade em universidades e instituições de pesquisa. Pela primeira vez, o evento abrirá espaço para a apresentação de trabalhos orais ou em pôsteres, divididos em duas sessões: políticas de integridade científica e educação. As inscrições podem ser feitas até o dia 2 de agosto pelo site do evento.

“Percebemos que o volume de pesquisas e de programas de pós-graduação em integridade científica cresceu significativamente nos últimos anos. Um dos objetivos do Brispe é difundir esses trabalhos, como forma de impulsionar ainda mais essa área como campo de pesquisa”, diz Sonia Vasconcelos, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e organizadora do evento, que conta com o apoio de diversas instituições, entre elas a FAPESP, a Academia Brasileira de Ciências e a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Outra novidade será um curso sobre os mecanismos de correção da literatura científica. “Muitas vezes os deslizes identificados em artigos são frutos de erros honestos, e não necessariamente produto de má-fé. As editoras estão atentas a isso e querem tornar mais transparente o processo de correção de erros”, explica Sonia, para quem a realização do Brispe em Goiás representa uma maneira de disseminar essas discussões no âmbito nacional.

“As três primeiras edições do encontro concentraram-se no eixo Sul-Sudeste”, diz. “Queremos expandir o Brispe para todo o país. Possivelmente, faremos uma edição no Nordeste em 2017.” Em 2014, a FAPESP sediou a terceira edição do Brispe, que teve como mote as práticas de instituições para promover a integridade e a conduta responsável em pesquisas (ver Pesquisa FAPESP nº 223).

A quarta edição do Brazilian Meeting on Research Integrity, Science and Publications (Brispe) será realizada na Universidade Federal de Goiás (UFG)

Os derivados nocivos da sucralose

21/06/2016 18:50


Não convém adoçar o cafezinho recém-coado ou a massa do bolo que vai ao forno com sucralose, o edulcorante artificial mais usado no mundo. Pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) verificaram que, a partir de 98º Celsius, as moléculas do adoçante começam a sofrer uma transformação química e passam a gerar compostos potencialmente tóxicos e capazes de se acumular no organismo (
Scientific Reports, 15 de abril). Na Unicamp, o farmacêutico Rodrigo Catharino e seus colaboradores Diogo de Oliveira e Maico de Menezes aqueceram amostras de sucralose em banho-maria enquanto usavam equipamentos para medir os compostos que surgiam. Largamente usada pelas pessoas e pelas indústrias alimentícia e de medicamentos, a sucralose tem uma estrutura química semelhante à da sacarose, o açúcar comum. Ambas as moléculas são formadas por  carbono, hidrogênio e oxigênio. A sucralose tem ainda três átomos de cloro, que lhe dão maior poder adoçante e facilitam a modificação de sua estrutura.

Sucralose: aquecida a mais de 98ºC gera compostos potencialmente tóxicos

Fonte: Pesquisa Fapesp

Convite Palestra Prof. Charles Feldman da Montclair State University

16/06/2016 21:15
Gostariamos de convidar vocês para a palestra que será ministrada pelo Prof. Charles Feldman da Montclair State University no dia 21/06, as 11h na sala 907 do CCS. Será um momento muito interessante para conhecerem o curso de graduação e de pós-graduação em nutrição da Montclair State University .
Contamos com a presença de vocês!

Imagem1

Quando o plágio não aparenta má-fé

02/06/2016 09:20

Uma consulta feita recentemente ao Committee on Publication Ethics (Cope), fórum de editores de revistas científicas sobre ética na pesquisa, evidenciou os desafios de fazer uma avaliação justa em casos suspeitos de plágio. O editor de um periódico científico, cujas identidade e origem não foram reveladas, informou ao Cope que começou a utilizar softwares para detecção de plágio e registrou uma alta incidência de pequenos trechos ou sequências de frases copiados de outros artigos. O problema atinge entre 30% e 50% dos manuscritos submetidos e, em alguns papers, chega a comprometer a originalidade de até um terço do texto.

Embora pareça assustador, segundo o editor não parece haver má-fé dos autores, uma vez que as sentenças copiadas são curtas e vêm de mais de 60 fontes diferentes – em um dos casos, chegou a mais de 120. “É como se a cópia de um trecho contendo o que se acredita ser uma expressão elegante pudesse compensar a falta de competência linguística do pesquisador”, escreveu o editor, referindo-se a uma grande quantidade de autores que não tem o inglês como língua nativa. “De todo modo, não é satisfatório que um texto contenha um terço de suas passagens inspiradas em outras fontes. Não é o que se possa considerar uma boa prática de escrita científica.”

O Cope respondeu à consulta recomendando uma análise caso a caso, levando em conta as características do texto reciclado. Uma duplicação na seção de resultados é mais grave do que na introdução ou nos métodos. Frases copiadas num artigo de revisão, composto por avaliações críticas da literatura existente, comprometem mais a sua originalidade do que sentenças duplicadas num paper tradicional, que traz resultados inéditos. Segundo o fórum, o editor deve pedir explicações ao autor caso falte atribuição de autoria em muitos trechos do artigo e tomar atitudes mais drásticas se as ideias defendidas pelo autor pertencerem a outras pessoas.

“O editor deve seguir checando todos os manuscritos usando softwares antiplágio e rejeitar os artigos com sobreposição de textos moderada ou grande”, sugere o Cope. A instituição a que o autor pertence deve ser alertada se houver, de fato, uma suspeita de má conduta ou se o editor colher evidências de que o pesquisador trabalha num ambiente que não valoriza as boas práticas científicas.“Caso os autores sejam jovens pesquisadores, o editor deve pedir a eles para reescrever as passagens copiadas e submeter de novo o artigo”, recomenda o Cope.

Fonte: Pesquisa Fapesp

Pesquisa retorno ao Brasil após período no exterior

22/05/2016 18:35
PESQUISA RETORNO AO BRASIL

O retorno ao Brasil de outro país estrangeiro pode trazer uma série de dificuldades na adaptação ao Brasil. Com o propósito de entender melhor o processo de adaptação no retorno de brasileiros, o Departamento de Psicologia Social, Trabalho e Organizações da Universidade de Brasília está lançando uma pesquisa on-line.

Se você teve uma vivência fora do Brasil (6 meses mínimo) e retornou ao Brasil (mesmo se fizer muitos anos), por favor, participe da pesquisa. A participação é voluntária, demorará 10-15 minutos de seu tempo, e pode ser feita, inclusive de seu celular e tablet, por meio do link:

https://pt.surveymonkey.com/r/RetornoBrasil

Quanto mais brasileiros que tiveram uma vivência fora do Brasil, melhor será o retrato desta adaptação. Pedimos seu apoio para divulgar este convite entre seus contatos e nas redes sociais.

Seleção para bolsista de pós-doutorado

22/05/2016 18:33

O Laboratório Interdisciplinar de Avaliação Nutricional do INU-UERJ está selecionando bolsista de pós-doutorado.

Inscrições podem ser realizadas enviando carta de intenções e currículo Lattes resumido para o endereço: selecao.posdoc.ppgans.uerj@gmail.com

post

Concurso para docente no Departamento de Ciência dos Alimentos UFBA

14/05/2016 14:17

ESCOLA DE NUTRIÇÃO
DEPARTAMENTO CIÊNCIA DOS ALIMENTOS
Área de Conhecimento: Ciência e Tecnologia dos Alimentos
Classe: A Denominação: Professor Adjunto A RT: DE Vagas: 01
Titulação: Profissional graduado em Nutrição, ou Farmácia e Bioquímica, ou Engenharia de Alimentos, com título de Doutor na área do tema do Concurso e outras áreas afins.
Tipo de Prova: Escrita, didática, títulos e defesa de memorial.
Período de Inscrição: de 02/05/2016 a 30/06/2016.

Para mais informações acesse o site.

Atalho para chegar ao paper

08/05/2016 21:13

Uma nova plataforma on-line foi criada para ajudar a encontrar artigos científicos divulgados em acesso aberto ou cópias gratuitas de papers publicados em periódicos comerciais. O DOAI (sigla em inglês para Identificador Digital de Acesso Aberto), disponível no endereço doai.io, é um serviço capaz de rastrear a existência de versões disponíveis na internet de trabalhos científicos. É preciso fornecer o código identificador do artigo desejado, no padrão conhecido como DOI, para que a ferramenta mostre, quando existirem, versões armazenadas em coleções de universidades ou perfis de seus autores. O banco de dados que alimenta o DOAI é o Base, da Universidade de Bielefeld, na Alemanha, que indexa quase 90 milhões de registros de 4 mil repositórios acadêmicos e outras fontes de acesso aberto no mundo inteiro. “A abrangência é impressionante”, disse Roger Schonfeld, diretor da Ithaca S+R, empresa de comunicação científica, em seu blog no portal The Scholarly Kitchen. “E a busca parece não privilegiar canais oficiais, como grandes repositórios de acesso aberto”, diz ele, que encontrou na plataforma textos de sua autoria indexados no repositório de uma biblioteca da Universidade do Norte do Texas.

A quantidade de artigos científicos disponíveis na internet é crescente. Estima-se que 40% dos papers sejam publicados atualmente em regime de acesso aberto. Esse quinhão é maior quando se analisa o universo de artigos publicados no passado. Ocorre que um conjunto cada vez maior de manuscritos migra ao longo do tempo do acesso fechado, em que só podem ser vistos por assinantes das revistas que os publicaram, para o acesso aberto, em que são franqueados na internet. Um estudo divulgado em 2013 pela União Europeia mostrou que 50% de todos os artigos publicados entre 2004 e 2011 estavam naquele momento disponíveis gratuitamente.

Um dos méritos da ferramenta DOAI é difundir os artigos em acesso aberto sem exigir que o usuário compreenda as regras e a terminologia que regem esse modelo. O acesso aberto se divide em duas grandes vertentes. Uma delas é a “via dourada” (golden road), aquela em que os periódicos são abertos e oferecem o acesso gratuito a seu conteúdo. Entre os exemplos dessa estratégia destacam-se as revistas da Public Library of Science (PLoS) ou a coleção de periódicos da biblioteca SciELO Brasil, um programa financiado pela FAPESP. A segunda vertente é conhecida como “via verde” (green road). Nessa modalidade, um autor é autorizado a arquivar no banco de dados de sua instituição ou em seu perfil profissional uma cópia de seus artigos científicos publicados numa revista comercial. Quem quiser ler o artigo sem pagar pode recorrer a esses repositórios – e a maioria deles está no banco de dados do DOAI.

Há diversas outras variantes. Algumas publicações permitem que os autores depositem cópias de seus artigos em repositórios, mas exigem que a divulgação só seja feita de seis meses a um ano após a publicação, para preservar seus ganhos nesse período inicial. Instituições de apoio, como a Wellcome Trust, fundação britânica de apoio à pesquisa biomédica, e os National Institutes of Health (NIH), dos Estados Unidos, exigem que os pesquisadores financiados por elas disponibilizem seus artigos em bases de dados de acesso aberto, como o PubMed Central, após um ano da publicação original em revistas científicas de acesso fechado. Outras revistas abrem mão do embargo e divulgam artigos na internet até mesmo antes da publicação do periódico em papel – mas cobram uma taxa adicional do autor para fazer a divulgação livre e antecipada.

Difusão
“O sistema de comunicação científica é complexo. O DOAI pode tornar-se uma ferramenta de localização importante, mas ainda é necessário consolidar a plataforma”, diz Abel Packer, diretor do programa SciELO. De acordo com ele, o DOAI ainda não é muito conhecido e é cedo para saber se terá uma aceitação generalizada. “A difusão deve levar um tempo. Se tudo der certo, todos os artigos indexados no SciELO terão código identificador”, diz Packer.

O DOAI é uma alternativa legal ao site Sci-Hub, criado em 2011 pela programadora e estudante do Casaquistão Alexandra Elbakyan e sediado em São Petersburgo, na Rússia. Trata-se de um repositório on-line com 48 milhões de artigos, na maioria com direitos autorais protegidos, que em fevereiro chegou a registrar 200 mil consultas por dia. O funcionamento do Sci-Hub tem semelhanças com o DOAI, além de uma busca mais abrangente, que não se limita ao código DOI. Seu gigantesco banco de dados oferece artigos que foram baixados por meio do uso de senhas cedidas por assinantes e são disponibilizados livremente. A editora acadêmica Elsevier iniciou em 2015 um processo contra a idealizadora do Sci-Hub numa corte em Nova York por violação de direitos autorais, mas encontra dificuldade em cercear juridicamente uma iniciativa sediada num país distante. “Uma única mulher conseguiu realizar uma colossal disponibilização pública de milhões de artigos antes restritos”, diz Moreno Barros, bibliotecário e doutor em História da Ciência pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Para ele, iniciativas como o DOAI e o Sci-Hub indicam que a comunicação científica está mudando num ritmo lento e que o movimento do Acesso Aberto, lançado em 2002 com o objetivo de franquear o acesso à produção científica, teve resultados limitados. “Coletivamente, o esforço de 14 anos para tirar o conhecimento das mãos das editoras, um artigo de cada vez, resultou por ora   em 40% de novos artigos livres”, afirma Moreno Barros.

Fonte: Pesquisa Fapesp

Pesquisa: Importância da publicação dos resultados de pesquisas acadêmicas

08/05/2016 21:02

Gostaríamos de convidar os estudantes deste curso para participar desta pesquisa que visa identificar a relevância da publicação durante o período de formação acadêmica e profissional dos estudantes.

 Buscamos, por meio deste breve questionário, conhecer quais os principais desafios enfrentados pelos estudantes de graduação e pós-graduação na hora de desenvolver a escrita para apresentação dos resultados de suas pesquisas, seja na construção de artigos, capítulos de livros ou livros de autoria própria ou coletiva.

Para tanto solicitamos a colaboração da divulgação da pesquisa disponível no link a seguir.

 http://goo.gl/forms/wzKRnJ9tgN

 Agradecemos sua atenção e nos colocamos a disposição.

Pint of Science Brasil

03/05/2016 22:26

Que a ciência é uma atividade muito divertida os cientistas já sabem! Agora, eles vão sair dos seus laboratórios durante três noites especiais só para contar a você como é o trabalho que eles fazem e os impactos disso na sua vida! É o Pint of Science, um festival internacional de divulgação científica que nasceu na Inglaterra em 2013.

 Não perca essa oportunidade de conhecer um pouco mais sobre alguns assuntos instigantes que estão dando o que falar e esclareça suas dúvidas diretamente com quem faz ciência. Na nossa programação tem uma variedade impressionante de temas, vamos falar de átomos, genes, vírus, cérebro, sociedade, tecnologia, sustentabilidade, planetas, galáxias e muito mais!

 É gratuito! Participe dessas três noites de muita diversão e ciência. 

 23, 24 e 25 de maio

Fonte: Pint of Science Brasil

 

Publishing key research in Ultra-processed foods

03/05/2016 22:16
ESSENTIAL RESEARCH ON ULTRA PROCESSED FOODS AND POPULATION DIETS

Public Health Nutrition will publish a special issue on “ultra-processed foods”(UPFs). This issue represents an effort to analyse the impact of UPFs on public health nutrition and diet-related outcomes, and to describe efforts in the research and application of a food classification based on the extent and purpose of food processing in nutrition monitoring, epidemiology, interventions and policies. 
 
The special issue is guest edited by Dr Bridget Kelly (University of Wollongong) and is scheduled to publish in 2017
 
Submissions are open until 15th October 2016
 PHN Call for papers             Submit your research online

 

ACCESS CURRENT RESEARCH ON ULTRA-PROCESSED FOODS (until 31 October 2016)  

PHN has already published research in this important area:

PHN_wheat

Ultra-processed foods have the worst nutrient profile, yet they are the most  available packaged products in a sample of New Zealand supermarkets

PHN_wheat

Ultra-processed food purchases in Norway: a quantitative study on a representative sample of food retailers. Public Health

 

PHN_wheat

Trends in consumption of ultra-processed foods and obesity in Sweden between 1960 and 2010

 

PHN_wheatDietary guidelines to nourish humanity and the planet in the twenty-first century. A blueprint from Brazil

 

PHN_wheatSodium content and labelling of processed and ultra-processed food products marketed in Brazil

 


Public Health Nutrition is published on behalf of The Nutrition Society

 

Programa de Apadrinhamento

03/05/2016 22:10

Você gostaria de fazer intercâmbio sem sair do Brasil?

Participe do Programa de apadrinhamento da UFSC!

Este programa foi criado com intuito de orientar e auxiliar os estudantes internacionais em como proceder nos primeiros momentos em Florianópolis e na UFSC e, em contrapartida, proporcionar aos  nossos estudantes a oportunidade de estar em contato com estudantes de universidades do exterior e de culturas do mundo inteiro.

Por que apadrinhar um estudante de intercâmbio?

Apadrinhar um estudante internacional é uma ótima forma de praticar um idioma, conhecer outras culturas e fazer novas amizades. Ademais, é uma oportunidade de ajudar alguém (que provavelmente chegará sem as informações essenciais do país) e ser um multiplicador de oportunidades. Por fim, apadrinhar um intercambista significa ajudar no desenvolvimento dos programas internacionais de intercâmbio, consolidando parcerias entre universidades renomadas. E, claro, ser parte de tudo isso!

Se você se interessou pelo Programa, veja aqui todas as orientações.

Inscrições e seleção

Para se tornar um padrinho, preencha o Formulário de Apadrinhamento, informando a preferência de acordo com o idioma e o sexo.  Ressaltamos que os estudantes Portugueses também precisam de padrinhos. A divulgação  dos selecionados e seus respectivos afilhados será através  dos  e-mails pessoais. Caso ainda faltem padrinhos, a seleção será prolongada.

Período de Inscrições – até dia 15 de junho de 2016.

Fonte: SINTER UFSC

Boletim Rede @limenta: 26/04/2016

02/05/2016 13:50
MDS padroniza Cisterna Telhadão no Semiárido 
A tecnologia tem capacidade para captar e armazenar 25 mil litros de água da chuva para ser utilizada na irrigação do plantio e na criação de animais 

Damiana de Oliveira Lima, 31 anos, mora na comunidade Tapuio, em Poço das Trincheiras (AL). Agricultora familiar, nunca teve a oportunidade de criar animais e de plantar hortaliças e verduras, mesmo que fosse para o consumo próprio, do marido e dos dois filhos. “Só conseguia plantar o coentro numa bacia.”

Leia mais »

Agricultores familiares já podem enviar propostas de venda ao PAA

As regiões Norte e Nordeste irão receber 60% dos recursos repassados pelos ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e do Desenvolvimento Agrário (MDA).

Leia mais »

Agricultores familiares já podem enviar propostas de venda ao PAA

As regiões Norte e Nordeste irão receber 60% dos recursos repassados pelos ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e do Desenvolvimento Agrário (MDA).

Leia mais »

O Começo da Vida 

O documentário da diretora Estela Renner tem sua estreia marcada para 5 de maio nos cinemas e na plataforma VideoCamp. O filme apresenta um dos maiores avanços da neurociência nos últimos anos: a descoberta de que os bebês se desenvolvem não apenas a partir de seu DNA, mas da combinação entre sua carga genética e as relações com aqueles que os rodeiam.

Leia mais »

Embrapa realiza a Tecnofam 2016, de 11 a 13 de maio, em Dourados (MS) 

Agricultores familiares vão se reunir para conhecer e trocar informações sobre atividades produtivas e agregar valor aos processos mercadológicos

Leia mais »

Consulta aberta! 2º Ciclo do Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis

Contribua com propostas que permitam promover a melhoria da qualidade de vida, o avanço social e o crescimento econômico do País na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Leia mais »

PAA entregou 25 toneladas de alimentos para famílias e instituições socioassistenciais no Acre

Alimentos foram comprados de agricultores familiares por meio da modalidade compra com doação simultânea e distribuídos pelo Banco de Alimentos de Rio Branco.

Leia mais »

Imagem de rodap? - Minist?rio do Desenvolvimento Social e Combate ? Fome