Maioria das cervejas mais consumidas no país é feita com milho transgênico

06/03/2017 08:55
Indústria se aproveita da legislação falha, que não exige rotulagem especial, nem especificação dos “cereais não maltados”, omitindo do consumidor o símbolo relacionado a medo, doenças e incertezas
cervejardb (2).jpg

A lei determina que alimentos ou bebidas com mais de 1% de ingredientes transgênicos devem ser rotulados; o T indicativo da presenças de plantas geneticamente modificadas não aparece em nenhuma cerveja

São Paulo – Bebida alcoólica mais consumida pelos brasileiros, a cerveja pode conter em sua formulação muito mais do que água, cevada e lúpulo. As letras miúdas no rótulo das garrafas ou impressas na própria lata, em cores metálicas, que dificultam a leitura, dão algumas pistas: “cereais não maltados” ou “malteados”. O consumidor comum fica sem saber que ingredientes exatamente são afinal. Especialistas em nutrição, entretanto, não têm dúvidas. Em geral é o milho, o mais barato dos grãos, o escolhido pelos fabricantes para compor, com os demais ingredientes, uma bebida que pode ser vendida mais em conta para que não tenham de abrir mão da elevada margem de lucro.

“Como a legislação não exige a especificação de cada ingrediente que constitui a cerveja, as empresas utilizam o termo genérico ‘cereais não maltados’. Ao não colocar a denominação específica, deixam dúvidas quanto à composição. Portanto, é possível partir do princípio de que o milho está sendo utilizado sem que haja indicação da sua presença”, diz a nutricionista Rayza Dal Molin Cortese, pós-graduanda em Nutrição pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Um estudo do Laboratório de Ecologia Isotópica do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena), da Universidade de São Paulo, divulgado em 2013, respalda a suposição de Rayza. Ao analisar 77 marcas, das quais 49 produzidas no Brasil e 28 importadas de países da Europa, América do Sul e do Norte e da China, os pesquisadores do Cena/USP concluíram que apenas 21 delas podem exibir o selo “puro malte” por utilizar somente grãos de cevada.

Puro malte?

Entre as nacionais, foi detectado milho na composição de 16 marcas, em quantidades equivalentes a 50% do mix de cereais adicionados à cevada. Essa proporção, aliás, contraria a legislação brasileira, que limita a quantidade de milho, arroz, trigo, centeio, aveia e sorgo a 45% do total da cevada utilizada. E justificaria a troca de nome dessas bebidas prevista em lei: cerveja de milho, cerveja de arroz etc., acrescentando-se o nome do cereal com maior presença na formulação.

Mas seria essa opção adotada por um mercado gigante como o cervejeiro brasileiro, que movimenta todo ano algo em torno de R$ 74 bilhões, cerca de 1,6% do PIB, conforme pesquisa divulgada em março de 2016 pela Fundação Getúlio Vargas?

Dar nome aos cereais – especialmente se for milho – pode não ser considerado “bom negócio” para o milionário grupo de produtores da bebida alcoólica mais vendida no Brasil – cerca de 14 bilhões de litros por ano. Mas faz toda a diferença para os brasileiros que consomem, per capita, todo ano, o correspondente a 62 litros de cerveja.

Primeiro porque mais de 80% do milho cultivado no Brasil, segundo especialistas ouvidos pela reportagem, está em lavouras transgênicas, semeadas com grãos modificados geneticamente. Com o argumento de aumentar a produtividade, a indústria das sementes alterou o DNA de plantas como o milho para supostamente aumentar a produtividade.

Na realidade, essa biotecnologia as transformou para duas coisas: resistir a quantidades cada vez maiores de agrotóxicos utilizados para matar plantas e indesejáveis à monocultura, que poderiam vir a comprometer essa propalada produtividade; ou para que produzam toxinas contra ataque de insetos que afetam a saúde humana.

Incertezas

O problema é que, como essas plantas úteis para o equilíbrio ambiental e indesejáveis para a produção de larga escala vão adquirindo resistência contra alguns princípios ativos de agrotóxicos pulverizados, passam a ser aplicados outros venenos, mais potentes e em quantidades maiores.

As consequências à saúde humana, animal e ambiental devido a tamanha alteração genética em grãos que serão usados direta ou indiretamente na produção de alimentos ainda não foram dimensionadas o suficiente pela ciência. Dos poucos estudos, os resultados são preocupantes, para não dizer alarmantes.

O biólogo, pesquisador aposentado da Embrapa e ex-membro da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) José Maria Gusman Ferraz é coautor do livro Lavouras Transgênicas – Riscos e Incertezas. A obra, editada em 2015 pelo Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural do então Ministério do Desenvolvimento Agrário, disponível para download, acaba de ganhar versão em inglês. Os autores analisam mais de 750 estudos desprezados pelas agências reguladoras de organismos geneticamente modificados em todo o mundo.

Ele destaca uma pesquisa divulgada em 2012 por pesquisadores franceses que abalou a opinião pública e o mercado de transgênicos em todo o mundo. Chefiados por Gilles-Eric Séralini, da Universidade de Caen Normadie, na França, os cientistas constataram danos ao fígado e rins e distúrbios hormonais em ratos alimentados com o milho transgênico NK603, da Monsanto. Além desses efeitos graves, foi detectado o desenvolvimento de inúmeros tipos de tumores.

O impacto da grande repercussão fez a pesquisa ser questionada e retirada da revista que a publicou originalmente (Food and Chemical Toxicology). Não só: a publicação teve seu corpo editorial reformulado, com a entrada de um nome forte indicado pela Monsanto. Os mesmos resultados, porém, foram publicados em detalhes depois na Environmental Sciences Europe, mostrando todos os danos causados.

Na época, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e outras entidades ambientalistas, de saúde e em defesa da agricultura orgânica, entre outras, pediram a suspensão da liberação comercial dessa variedade do milho.

“Mesmo com este estudo indicando claramente o risco, a CTNBio aprovou sua liberação comercial no país, em um claro desrespeito ao princípio da precaução, que preconiza que se existir possibilidade de risco, a empresa proponente tem de provar que o risco não existe”, afirma Gusman. “Um grupo minoritário dentro da comissão solicitou que, se existiam dúvidas, o estudo deveria ser refeito antes da sua liberação para comercialização. Mas como sempre, foi voto vencido pela maioria – ligada ao agronegócio –, que desprezou esta e outras evidências de que havia sim risco à saúde na liberação comercial.”

Além de professor convidado da Unicamp, onde conduz pesquisas em agroecologia, Gusman se dedica à campanha contra o mosquito transgênico, desenvolvido em laboratório para combater o Aedes aegypti, já solto no interior de São Paulo – outro caso envolto em irregularidades no processo de liberação, com problemas e dúvidas nas pesquisas, o que torna as populações lcoais cobaias de interesses de transnacionais.

Outro estudo, segundo ele, também acende o alerta contra os transgênicos. Conduzido na Faculdade de Medicina de Tanta, no Egito, constatou que outra variedade de milho da Monsanto, o MON810, alterou profundamente as estruturas que compõem o intestino das cobaias. Surgiram lesões proliferativas e hemorrágicas nas mucosas intestinais, responsáveis pela absorção de nutrientes necessários para o funcionamento do organismo. O milho correspondia a apenas 30% da dieta dos ratos.

Mais venenos

Como lavouras transgênicas são sinônimo do uso de altas doses de agrotóxicos, os especialistas alertam para os perigos dos agroquímicos à saúde e à vida dos agricultores e de quem vive perto das áreas pulverizadas, para aqueles que trabalham nas indústrias de venenos, e para quem ingere alimentos e água carregados de resíduos desses agroquímicos.

Por isso essas substâncias são problema de saúde pública, embora as autoridades de saúde pouco ou nada façam para reduzir, ainda que gradativamente, o uso de produtos tão nocivos. Esses venenos já foram relacionados a diversas doenças, entre elas câncer de vários tipos; alterações endocrinológicas e reprodutivas, como quadros de menstruação, menopausa e andropausa precoce, além de alterações no sistema reprodutor; e até neurológicas, facilitando o desenvolvimento do Mal de Parkinson, por exemplo, conforme pesquisas recentes.

Também podem provocar alterações na gestação que levam ao nascimento de bebês com malformações; distúrbios emocionais incapacitantes, como a depressão; quadros de intoxicação agudas, que conforme o veneno pode matar por asfixia, ou mesmo crônicas, devido a exposições frequentes ou ao acúmulo de resíduos no organismo. Tudo isso num quadro em que algumas dessas doenças podem conviver sem que suas causas sejam associadas aos venenos agroquímicos. O Ministério da Saúde estima que para cada caso notificado, com nexo-causal, há 50 outros totalmente ignorados.

Consumidor desinformado

Para especialistas e ativistas contra os transgênicos e seus perigos, todos os alimentos – bebidas inclusive – com quaisquer vestígios de transgênicos, deveriam receber o selo com a letra T em preto dentro de um triângulo amarelo, símbolo internacional da presença de organismos geneticamente modificados.

Mas a legislação, que no Brasil é criada por setores alinhados com o agronegócio que controlam o Congresso Nacional e setores do governo federal, não vai nessa direção. A nutricionista Rayza Cortese, que pesquisa organismos geneticamente modificados e a rotulagem de alimentos comercializados no Brasil, afirma que a legislação para o tema, estabelecida pelo decreto 4.680/2003, estabelece que “todos os alimentos (e as bebidas alcoólicas são consideradas alimentos) e ingredientes alimentares que contenham ou sejam produzidos a partir de OGMs, com presença acima de 1% do produto, devem ser rotulados”. No entanto, o símbolo não aparece em nenhuma embalagem de cervejas que contenham milho.

E isso apesar de o Idec ter obtido, no Supremo Tribunal Federal (STF), a garantia de rotulagem com o triângulo amarelo em alimentos com ingredientes geneticamente modificados, independentemente da quantidade. Em maio do ano passado, o STF voltou a garantir a indicação no rótulo de alimentos que utilizam ingredientes geneticamente modificados, independentemente da quantidade presente.

A exigência estava suspensa desde 2012, por uma decisão provisória do ministro Ricardo Lewandovski, que atendeu ao pedido da União e da Associação Brasileira de Indústria de Alimentos (Abia).

“A decisão é importante porque enfraquece o projeto de lei que tramita no Congresso para derrubar a obrigatoriedade da informação no rótulo. Sem essa rotulagem, o consumidor tem negado seu direito à informação para decidir na hora da compra, conforme prevê o Código de Defesa do Consumidor”, diz a pesquisadora em alimentos do Idec, Ana Paula Bortoletto.

Palavra da indústria

A Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil), que representa a Ambev, a Brasil Kirin, o Grupo Petrópolis e a Heineken – os quatro maiores fabricantes – afirma, em nota à reportagem da RBA, reproduzida em sua íntegra a seguir que “a indústria brasileira da cerveja é reconhecida pela alta qualidade de seus produtos e receitas que conquistaram o gosto do consumidor brasileiro – o que faz o país ser um dos maiores mercados de cerveja do mundo. O respeito ao consumidor é um dos principais valores do setor cervejeiro. É por isso, que aprimoramos sempre os processos, usamos os melhores ingredientes, adotamos as técnicas mais avançadas e inovamos sempre.

“As receitas, obviamente, variam de acordo com a marca e o tipo da cerveja. Os detalhes dessas formulações não são abertos ao consumidor, já que são informações confidenciais e que precisam ser protegidas para preservar o ambiente concorrencial do setor. Cada ingrediente é usado para trazer características ao produto. A utilização de cereais não-malteados na fabricação de cervejas não é uma exclusividade do Brasil. Isso acontece em diversos países. Um dos principais objetivos é conferir características como leveza e refrescância.

“Vale lembrar que as legislações brasileira e do Mercosul permitem que sejam usados cereais não-malteados na produção de cervejas, como milho, aveia, sorgo, arroz etc. Contudo, esse uso não é indiscriminado. A legislação estabelece a participação máxima de 45% destes insumos no chamado extrato primitivo (a parte sólida da cerveja). O setor cervejeiro no Brasil cumpre rigorosamente essa norma. Os padrões de qualidade e segurança da cerveja brasileira são regulados e fiscalizados pelo Ministério da Agricultura, Anvisa, entre outros órgãos.

“As discussões em torno dos organismos geneticamente modificados fazem parte deste grande esforço. Por isso, as cervejarias acompanham de perto a questão e seguem todas as normais legais sobre o uso e rotulagem desses insumos. As cervejarias associadas à Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil)- da qual participam Ambev, Brasil Kirin, Grupo Petrópolis e Heineken – realizaram testes de detecção de DNA transgênico que comprovam a ausência de organismos geneticamente modificados em seus produtos. Além disso, nossos produtos atendem às recomendações nacionais e internacionais mais rígidas de segurança, do início ao fim dos processos produtivos, não representando, portanto, qualquer risco à saúde do consumidor.”

Fonte: Rede Brasil Atual

O conflito de interesses entre as associações de profissionais da saúde e financiamento da indústria

01/03/2017 20:34

Fonte: The Lancet – Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2017 

O Colégio Real de Pediatria e Saúde Infantil (Royal College of Paediatrics and Child Health) do Reino Unido (RCPCH) anunciou em outubro de 2016 sua decisão de continuar a aceitar financiamento de fabricantes de substitutos do leite materno (BMS).

Esta decisão levanta sérias preocupações sobre a imparcialidade do colégio e estabelece um precedente prejudicial para outras organizações de profissionais de saúde. A fim de proteger a credibilidade e a autoridade das organizações profissionais que contribuem para a formulação de políticas públicas, elas precisam adotar códigos de conduta e práticas que protejam sua independência dos interesses dos investidores.

A decisão do RCPCH viola o espírito e o objetivo do Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno (também conhecido como Código Internacional), adotado pela Assembleia Mundial da Saúde (WHA) na resolução WHA34.22 e as subsequentes resoluções relevantes da WHA. Outras resoluções incluem a WHA69.9.2, adotada em maio de 2016, na qual os Estados Membros da OMS receberam com agrado a nova Orientação da OMS para acabar com a Promoção Inadequada de Alimentos para Lactentes e Crianças Pequenas (também conhecida como “A Orientação” – “The Guidance”).
(mais…)

As verdades inconvenientes que a campanha “Agro Pop” tenta esconder

01/03/2017 20:18

A propaganda “Agro-Globo” tenta construir a imagem de que o agronegócio é o grande responsável pela geração de empregos e pela produção dos alimentos que chegam à nossa mesa.

Segundo pesquisa da Esalq-USP, apenas 36% dos empregados pelo agronegócio têm carteira assinada e é do setor quem vêm 30% das 1.010 pessoas resgatadas em 2015 de condições análogas à de escravidão.

Em relação à produção de alimentos, o agronegócio cria mercadorias, mas quem produz os alimentos que chegam à nossa mesa são os pequenos agricultores familiares.*

*Texto completo em “Ideias na Mesa”:
https://goo.gl/BdO9iI (parte 1)
https://goo.gl/nn2kMu (parte 2)

Falecimento da Professora Lieselotte Ornellas

15/02/2017 17:48
Faleceu ontem, 14 de fevereiro de 2017, aos 99 anos, no Rio de Janeiro, a professora Lieselotte Hoeschl Ornellas, a primeira nutricionista do Brasil.
A professora Lieselotte é catarinense, nascida em Florianópolis e participou ativamente das comemorações dos 20 anos do Curso de Nutrição da UFSC, estando presente na primeira atividade comemorativa, em agosto de 1999 e em novembro de 2000 quando do lançamento de nova edição do seu livro “Alimentação através dos tempos”, primeiro volume da Série Nutrição da Editora da UFSC.
O legado da professora Lieselotte para a Nutrição Brasileira é significativo e reconhecido.
Registramos a homenagem também do Núcleo de Pesquisa de Nutrição em Produção de Refeições da UFSC.
Lieselotte Ornellas na UFSC0002Imagem1

X Congresso Brasileiro de Epidemiologia – Inscrições Abertas

14/02/2017 09:33

Está no ar a página do 10º Congresso Brasileiro de Epidemiologia, organizado pela Comissão de Epidemiologia da ABRASCO e pela Universidade Federal de Santa Catarina. Acesse http://epi.org.br/.

O evento acontecerá entre 7 e 11 de outubro de 2017 e, pela primeira vez na história, em Florianópolis. A data final para submissão dos trabalhos é 30 de março de 2017.

Não deixe de participar e de enviar seus trabalhos. A programação estará repleta de ótimos cursos, palestras e mesas redondas com palestrantes nacionais e internacionais.

Nessa semana foram lançados e abertos para inscrição os cursos pré-congresso. Em seus dois primeiros dias de atividade, o X Congresso Brasileiro de Epidemiologia oferecerá 40 cursos para os participantes poderem aproveitar ainda mais o evento e terem aulas com grandes nomes da ciência brasileira e internacional.

 

Agradecemos divulgação:Processo seletivo Programa de Pós-graduação em Nutrição UFSC de 20 de fevereiro a 17 de março de 2017

14/02/2017 09:31

Agradecemos a divulgação do processo seletivo do Programa de Pós Graduação em Nutrição/UFSC na página da Universidade.

Abaixo a notícia do site:

O Programa de Pós-Graduação em Nutrição (PPGN) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) abre inscrições para vagas de Mestrado e Doutorado entre 20 de fevereiro e 17 de março.

Serão oferecidas até 25 vagas para o Mestrado e até 14 vagas para o Doutorado, segundo a disponibilidade dos professores orientadores. As linha de pesquisa são: diagnóstico e intervenção nutricional em coletividades; estudo dietético e bioquímico relacionado com o estado nutricional; e nutrição em produção de refeições e comportamento alimentar.

Informações adicionais estão disponíveis no edital.

Mais informações:
Site do Programa: www.ppgn.ufsc.br.

 

O futuro do acesso aberto – Podcast: Sely Costa

07/02/2017 09:45

Sely Costa, professora da Faculdade de Ciência da Informação da Universidade de Brasília (UnB), fala sobre modelos e desafios do Acesso Aberto, movimento que defende o livre acesso à produção científica.

Apresentação: Fabrício Marques e Carlos Fioravanti.
Produção e roteiro: Biancamaria Binazzi
Assistência de produção: Sarah Caravieri
Gravação e montagem: Dagoberto Alves (Rádio USP)

Pesquisa Brasil vai ao ar todas as sextas-feiras às 13:00, pela Rádio USP.
Assine Pesquisa Brasil como podcast!

Baixar o MP3
Veja aqui o arquivo do Pesquisa Brasil

Fonte Pesquisa Fapesp

O futuro do acesso aberto

07/02/2017 09:43

A decisão da União Europeia de disponibilizar de forma livre e gratuita a partir de 2020 todos os papers produzidos em seus estados-membros promete dar novo fôlego ao Acesso Aberto, movimento lançado no início dos anos 2000 com o objetivo de franquear o acesso à produção científica, que avança lentamente. Estima-se que apenas um em cada quatro novos artigos seja publicado atualmente nesse regime – os demais, no momento em que são divulgados, só podem ser vistos por assinantes ou por usuários que aceitem pagar pelo download. As apostas em torno do modelo de acesso aberto que irá ganhar mais impulso estão divididas.

 A experiência do Reino Unido, que começou a adotar em 2014 uma estratégia desse tipo envolvendo a pesquisa produzida em 107 instituições ligadas aos seus Conselhos de Pesquisa (RCUK, em inglês), deu força à chamada via dourada (golden road), na qual as próprias revistas científicas garantem o acesso livre ao conteúdo que publicam – cobrando mais caro do autor e isentando o usuário de pagar pelo download. É certo que os custos de publicação aumentaram. Segundo estudo divulgado em fevereiro por Adam Tickell, vice-reitor da Universidade de Birmingham, as universidades do Reino Unido gastaram £ 33 milhões, o equivalente a R$ 150 milhões, em custos associados apenas à publicação em acesso aberto em 2015 – quase 20% do gasto geral com publicações. “Embora haja consenso sobre os benefícios do acesso aberto no Reino Unido, os desafios financeiros persistem”, escreve Tickell. “As universidades estão preocupadas com a preferência pela via dourada pela pressão que isso está provocando em seus orçamentos de pesquisa.”

Em países como a Espanha, que começou a criar repositórios no início dos anos 2000 e onde 11 das principais universidades exigem desde 2009 que a produção científica de seus pesquisadores seja divulgada em acesso aberto, a chamada via verde (green road) tem mais tradição. Trata-se de um modelo no qual cada pesquisador arquiva no banco de dados de sua instituição uma cópia de seus trabalhos científicos publicados em periódicos, que ficam disponíveis ao público. Quem quiser ler o artigo sem pagar pode recorrer a esses repositórios. Muitas editoras permitem que os autores depositem seus artigos em repositórios apenas depois de um período de embargo, em geral de seis meses pelo menos. Outras cobram um valor extra para liberar o embargo. “O crescimento dos repositórios institucionais é um mecanismo relativamente barato para ampliar o acesso à pesquisa financiada com recursos públicos”, pondera Tickell.

Já o Brasil tem um modelo bastante peculiar, com a oferta da biblioteca eletrônica SciELO, que reuniu uma coleção de mais de 200 publicações brasileiras de acesso aberto de todos os campos do conhecimento, cujos artigos podem ser baixados da internet de forma livre e gratuita. Criada em 1997, seis anos antes de o movimento do Acesso Aberto ser deflagrado, a SciELO é um programa especial da FAPESP lançado para aumentar a visibilidade de publicações científicas brasileiras que, até o século passado, estavam escassamente indexadas em bases de dados internacionais. Outra iniciativa brasileira foi a criação, em 2013, do Repositório da Produção Científica do Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas, o Cruesp (cruesp.sibi.usp.br), que contava, no início de julho, com mais de 400 mil registros de artigos, teses e dissertações e outros trabalhos científicos, sendo 195.242 da Universidade de São Paulo (USP), 116.162 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e 89.664 da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

“O repositório é a soma dos acervos depositados nas três universidades e pode ser acessado por meio de uma ferramenta de busca comum”, diz Maria Crestana, coordenadora do Sistema Integrado de Bibliotecas (Sibi) da USP. O repositório foi criado por iniciativa e com apoio da FAPESP, que instituiu uma política de publicação de resultados de pesquisas científicas financiadas com recursos públicos em acesso aberto. Os registros disponíveis atualmente compreendem, principalmente, as teses, dissertações e artigos científicos publicados nos últimos 10 anos, quando as universidades começaram a oferecer esse tipo de produção em formato digital. “No caso da USP, a produção científica coletada desde meados dos anos 1980 supera os 700 mil registros, muito mais do que está disponível no repositório. Mas essa produção pode ser acessada em nossas 48 bibliotecas”, afirma a coordenadora do Sibi.

O debate sobre as tendências está em aberto. “Tanto a via dourada quanto a verde são aceitáveis”, avalia Robert-Jan Smits, diretor-geral de pesquisa e inovação da Comissão Europeia. A via dourada parece levar alguma vantagem, a julgar pela estratégia da Holanda, país que, ao assumir a presidência rotativa da União Europeia em janeiro, colocou em pauta a ambição de instituir o acesso aberto para pesquisas realizadas dentro do bloco e patrocinadas com recursos públicos. Desde 1º de janeiro, a Organização para Pesquisa Científica da Holanda (NWO), principal agência de fomento do país, exige que papers resultantes de projetos de pesquisa apoiados por ela sejam publicados em acesso aberto – e deixou claro que tem preferência pela via dourada, com efeitos mais rápidos e mais fácil de controlar.

Ao mesmo tempo, propôs que versões de artigos anteriores ao processo de revisão, os chamados preprints, sejam depositadas em repositórios de acesso aberto. Para Sander Dekker, secretário de educação, ciência e cultura da Holanda, a via dourada é a solução mais justa pois reconhece que as editoras científicas fornecem um serviço valioso que precisa ser remunerado. Segundo ele, um dos problemas da via verde é que muitas revistas permitem que um artigo seja disponibilizado em um repositório de acesso aberto apenas depois de cumprir um embargo de vários meses. “Acesso adiado é acesso negado”, disse à revista Science.

© DANIEL KONDO

Acesso aberto_Menor

Embates
Na avaliação de Sely Maria de Souza Costa, professora da Faculdade de Ciência da Informação da Universidade de Brasília (UnB), a via dourada possivelmente avançará mais na União Europeia. “É um caminho mais seguro porque não provoca embate entre editores e autores. E a intenção é implementar o acesso aberto em apenas quatro anos, um prazo que é muito curto”, afirma Sely, que participou no início de junho de um debate sobre o futuro do acesso aberto numa conferência internacional sobre publicações acadêmicas em Göttingen, na Alemanha. “Ninguém sabe muito bem o que vai acontecer. A publicação científica continuará por muito tempo nas mãos de grandes editoras, mas elas vão gradativamente procurar uma fórmula híbrida de publicação, pois perceberam que a questão do acesso aberto é irreversível.”

Continue a leitura em Pesquisa Fapesp

 

Revista Demetra

07/02/2017 09:34

A revista DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde já publicou seu último número, disponível em
http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/demetra. Convidamos a navegar no sumário da revista para acessar os artigos e outros itens de seu interesse.

 

DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde
v. 11 (2016): Suplementar 1
Sumário
http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/demetra/issue/view/1374

EDITORIAL
——–
DEMETRA AVALIADA COMO B1 NO “QUALIS PERIÓDICOS” DA CAPES (1115-1117)
        Shirley Donizete Prado, Fabiana Bom Kraemer


ARTIGOS DE TEMA LIVRE
——–
O QUEIJO MINAS ARTESANAL NA REGIÃO DA MATA MINEIRA: SEU SABER-FAZER E SUAS
REPRESENTAÇÕES (1119-1134)
        Belisa Lamas Gaudereto, Luciano Rodrigues Costa

“FAT” BODIES AND LOW-INCOME: EXPERIENCES AND PERCEPTIONS OF MOTHERS FROM
SANTOS, BRAZIL (1135-1151)
        Priscila de Morais Sato,        Gabriela Milhassi Vedovato,     Kate Perepezko, Ramiro
Fernandez Unsain,       Mariana Dimitrov Ulian, Fernanda Baeza Scagliusi

FEIJOADA E SAMBA: ANÁLISE CONTEXTUAL EM UMA AGREMIAÇÃO NO SUBÚRBIO
CARIOCA (1153-1169)
        Gabriella Fernandes Gachet,     Marta Maria Antonieta de Souza, Mirian Ribeiro
Baião

MULHERES EM REVISTA: REPRESENTAÇÃO CORPORAL NO IMAGINÁRIO SOCIAL
(1171-1184)
        Mariana Fernandes Costa,        Jorge Coelho Soares

IDEALIZAÇÃO, MARCOS E TRAJETÓRIAS DE PESO EM MULHERES COM EXCESSO DE
PESO: REFLEXÕES PARA O TRATAMENTO NUTRICIONAL (1185-1200)
        Camila de Souza Meirelles,      Lucas Vieira Francisco, Ana Carolina de Aguiar
Moreira,        Rosa Wanda Diez-Garcia

PONTO DE EQUILÍBRIO ENTRE A CIÊNCIA DA NUTRIÇÃO E “FAT STUDIES”
(1201-1212)
        Andreia Araujo Lima Torres

COMPOSIÇÃO CORPORAL EM MULHERES TRANSGÊNERO VIVENDO COM HIV/AIDS: UMA
DISCUSSÃO DAS TRANSFORMAÇÕES QUE INTERFEREM NA AVALIAÇÃO DO ESTADO
NUTRICIONAL (1213-1223)
        Juliana Lauar Gonçalves,        Cláudia Santos de Aguiar Cardoso,       Adriana Costa
Bacelo, Raquel Espírito Santo,  Cristiane Fonseca de Almeida,   Paula
Simplício da Silva,     Patrícia Dias de Brito

RELAÇÕES ENTRE ALIMENTAÇÃO, OBESIDADE, PERDA DE PESO  E CONSUMO EM
REVISTAS FEMININAS (1225-1243)
        Shirley Donizete Prado, Eliane Portes Vargas,   Maria Claudia da Veiga Soares
Carvalho,       Francisco Romão Ferreira,       Cristiane Marques Seixas,       Fabiana Bom
Kraemer

ALIMENTOS COM AGROTÓXICOS OU DE BASE AGROECOLÓGICA: O JOGO SIMBÓLICO DE
ATORES SOCIAIS (1245-1260)
        Verônica Oliveira Figueiredo,   Maria Claudia Veiga Soares
Carvalho,       Francisco Romão Ferreira,       Luciléia Granhen Tavares
Colares,        Izabela Miranda de Castro,      Lucia Maria Jaeger de Carvalho

AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE CAPACIDADE VOLUMÉTRICA DE CAÇAROLAS E
CALDEIRÕES FRENTE ÀS ESPECIFICAÇÕES DO FABRICANTE  E A LEGISLAÇÃO
BRASILEIRA (1261-1276)
        Valdirene Francisca Neves dos Santos,   Bianca Pinho Santos,    Ana Carolina K.
Miguez, Ornella Antonini,       Maria Cristina de Almeida Gaspar

SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL, GÊNERO E EDUCAÇÃO: UMA ABORDAGEM
INTEGRATIVA (1277-1295)
        Jussara Maysa Silva Campos,     Rita de Cássia de Almeida Coelho Akutsu

PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: PERFIL, AÇÕES INTERSETORIAIS E PERCEPÇÃO DOS
GESTORES DE SERVIÇOS, EM UM ESTUDO DE CASO NOS MORROS DE SANTOS (1297-1315)
        Luana Pereira Lima,     Lia Thieme Oikawa Zangirolani

DESENVOLVIMENTO DE UM QUESTIONÁRIO DE FREQUÊNCIA ALIMENTAR PARA
POPULAÇÕES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL (1317-1332)
        Mariana Espinoza Rivas, Pauline Müller Pacheco, Fernanda Souza de
Bairros,        Marilda Borges Neutzling

FATORES ASSOCIADOS AO ESTADO NUTRICIONAL EM IDOSOS PARTICIPANTES DO ESTUDO
“EPIFLORIPA IDOSO” (1333-1350)
        Susana Cararo Confortin,        Bianca Bittencourt,     Lariane Mortean Ono,    Larissa
Pruner Marques, Ione Jayce Ceola Schneider,     Eleonora d`Orsi

ACESSO AOS ALIMENTOS E SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA
SITUAÇÃO EM MUNICÍPIOS BAIANOS (1351-1366)
        Laís Santos Calmon,     Sandra Maria Chaves Santos,     Marlus Henrique Queiroz
Pereira

À SOMBRA DO ESTEREÓTIPO DE BELEZA: QUALIDADE DE VIDA E FATORES ASSOCIADOS
EM MULHERES (1367-1383)
        Rayane Stephanie Gomes de Freitas,      Renata Doratioto Albano,        Diogo Thimoteo
da Cunha

BOLSAS DE ESTUDO NA ESPANHA

07/02/2017 09:31

Inscricoes ate 06 de abril de 2017.

A Fundacion Carolina oferece 529 bolsas de estudo na Espanha, em todas as areas do conhecimento. As bolsas sao destinadas exclusivamente a estudantes de países latino-americanos.
Nesta 17a edição, a convocatória compreende 168 programas acadêmicos. Candidatos passarão por um rigoroso processo seletivo, que levara em conta sua excelência acadêmica.

Modalidades das bolsas:

. Pos-graduação: 281 bolsas destinadas a estudantes com curso de graduação completo e excelente desempenho acadêmico ou profissional. 
Áreas: Ciência e novas tecnologias; Energia, meio ambiente e infraestruturas; Ciências da saúde; Economia e finanças, organização empresarial e desenvolvimento; Ciências sociais e Direito; Artes, humanidades e comunicação.

. Doutorado e pós-doutorado: 70 bolsas para a obtenção do grau de doutor na Espanha ou para formação pós-doc de professores universitários latino-americanos.

. Bolsas de mobilidade de professores brasileiros: 27 bolsas para pesquisa de curta duração destinadas a professores ou técnicos de universidades, e a pesquisadores de instituições publicas no Brasil.

. Bolsas de empreendedorismo: 2 bolsas que incluem um período de estagio em startups e empresas com alto conteúdo tecnológico.

. Estudos institucionais: ajuda para o financiamento de planos de formação em instituições espanholas que trabalham para o fortalecimento institucional das administrações publicas ibero-americanas (34 bolsas).

Mais informações em https://www.fundacioncarolina.es/

BOLSA CNPQ DE DOUTORADO-SANDUICHE NO PAIS (SWP) 2017           

07/02/2017 09:27
Inscricoes:

Cronograma 1: ate 1º de março de 2017;
Cronograma 2: ate 1º de junho de 2017;
Cronograma 3: ate 1º de setembro de 2017.

Objetivo:
Apoiar aluno formalmente matriculado em curso de doutorado no Brasil para
desenvolvimento parcial de sua tese junto a outro grupo de pesquisa nacional.

Mais informacoes em
http://www.cnpq.br/web/guest/noticiasviews/-/journal_content/56_INSTANCE_a6MO/10157/5603435

BOLSA CNPQ DOUTORADO SANDUÍCHE NO EXTERIOR (SWE) 2017    

07/02/2017 09:27

 Inscricoes:

Cronograma 1: ate 1º de março de 2017;
Cronograma 2: ate 1º de junho de 2017;
Cronograma 3: ate 1º de setembro de 2017.
Objetivo:

Apoiar aluno formalmente matriculado em curso de doutorado no Brasil que
comprove qualificacao para usufruir, no exterior, da oportunidade de
aprofundamento teorico, coleta e/ou tratamento de dados ou desenvolvimento
parcial da parte experimental de sua tese a ser defendida no Brasil.

Mais informacoes em
http://www.cnpq.br/web/guest/noticiasviews/-/journal_content/56_INSTANCE_a6MO/10157/5603435

Federação mundial das associações de saúde pública pede que governo brasileiro reconsidere pec 55

23/01/2017 11:07

A organização com sede em Genebra alerta em carta sobre as consequências desastrosas da medida para o SUS

A Federação Mundial das Associações de Saúde Pública (WFPHA, na sigla em inglês) encaminhou nesta segunda-feira, 20, uma carta endereçada ao governo brasileiro posicionando-se contra a Proposta de Emenda Constitucional 55 (PEC 55/2016), que congela os gatos públicos pelos próximos 20 anos, sancionada em dezembro de 2016. No documento, a Federação alerta que medida terá “consequências desastrosas” para a saúde em geral e, particularmente, para o Sistema Único de Saúde Brasileiro (SUS).

“Colocar saúde e educação no mesmo nível de outras áreas não é consistente com os anseios da população e a necessidades da sociedade”, ressaltam os dirigentes da WFPHA no documento.

A carta, em inglês, pode ser lida aqui.

Fonte: Jornal da Ciência

Síndrome metabólica avança em Marajó

23/01/2017 11:06

Os hábitos alimentares das regiões mais industrializadas do país e suas consequências para a saúde estão se disseminando pelo interior da Amazônia. Um em cada três moradores de quatro cidades da Ilha de Marajó, região rural no norte do Pará, já apresenta alterações metabólicas que aumentam o risco de doenças cardiovasculares e de morte precoce. De 2012 a 2013, os pesquisadores Sérgio França, Sandra Lima e José Ricardo Vieira, todos da Universidade Federal do Pará (UFPA), mediram o peso e a altura e realizaram exames de sangue em 787 adultos dessas localidades. Em média, 34,1% dos participantes (proporção superior à média nacional, de 29%) haviam desenvolvido a chamada síndrome metabólica, definida pela presença de três destes cinco sinais clínicos: pressão alta; glicemia em jejum elevada; circunferência da cintura superior a 80 centímetros (cm) para mulheres e 90 cm para homens; níveis baixos de colesterol HDL; e níveis elevados de triglicerídeos. Associada ao consumo excessivo de alimentos processados, a síndrome se manifestou mais cedo nas mulheres. Entre 40 e 49 anos de idade, 46% delas apresentavam a alteração, identificada em 43% dos homens na faixa etária dos 50 aos 59 (PLOS ONE, 9 de dezembro).

Fonte: Pesquisa FAPESP

Consumo de adoçante dispara nos EUA e preocupa especialistas

23/01/2017 11:04

De acordo com pesquisa realizada nos Estados Unidos a partir de dados coletados entre 2009 e 2012, o uso diário de adoçantes cresceu de 27% para 41% da população adulta (crescimento de aproximadamente 50%). O dados para população infantil são ainda mais alarmantes, indicando um aumento de 200%. O consumo diário passou de 9% da população para 25%. A maioria dos consumidores uso de uma vez por dia (80% das crianças, 56% dos adultos). A freqüência de consumo foi maior em indivíduos com maior peso corporal.  A maioria do consumo ocorreu em casa e com refeições, tanto em adultos quanto em crianças.

Os autores apontam a importância de se avaliar o impacto do consumo desses produtos na saúde da população.

Fonte: Folha de São Paulo e Allison et., al. Consumption of Low-Calorie Sweeteners among Children and Adults in the United States. Academy of Nutrition and Dietetics, 2017.

Government Of Canada Finalizes Food Labelling Changes

23/01/2017 10:49
O Canadá adotou a rotulagem de açúcares totais (com % de VD e legenda indicando se aquele alimento possui muito ou pouco açúcar) e união de todos os tipos de açúcares de adição em um grupo na lista de ingredientes – o que fará com que eles fiquem mais próximos do início da lista, que é por ordem decrescente.
A indústria terá cinco anos para fazer as modificações nos rótulos.
O Canadá também está com uma consulta pública aberta sobre a obrigatoriedade na front-of-package nutrition labelling, incluindo a declaração dos açúcares de adição.

 

O duelo dos mega-journals Disputa entre PLOS One e Scientific Reports aponta mudanças no mercado das publicações científicas

23/01/2017 10:47

Os mega-journals, revistas científicas que publicam um grande número de artigos em acesso aberto na internet, vivem um momento de ebulição. Em setembro, a liderança nesse nicho de periódicos mudou de mãos pela primeira vez, quando a Scientific Reports, lançada pelo grupo Springer Nature em 2011, publicou, no intervalo de 30 dias, um total de 1.940 papers. A revista superou a PLOS One, respeitada publicação lançada em 2006 pela organização sem fins lucrativos Public Library of Science (PLOS), que publicou 1.746 artigos em setembro. Em agosto, a PLOS One conseguira manter a dianteira por estreitos 40 artigos.

Ambas as publicações disseminam papers de um largo espectro de disciplinas, que incluem as ciências, as engenharias e a matemática, embora a PLOS One reúna um conjunto maior de artigos no campo das ciências da vida e a nova líder, no das ciências naturais. A ascensão da Scientific Reports é explicada por um conjunto de fatores. Uma das vantagens competitivas é o fator de impacto, indicador da repercussão da produção científica publicada. Atualmente, o índice é de 5,2. Significa que os artigos publicados na revista em 2013 e 2014 receberam, em média, 5,2 citações em outros papers em 2015. O índice parece baixo quando comparado a outros periódicos do grupo – o fator de impacto da Nature é de 38,1. Mas, na verdade, é um índice vigoroso para um tipo de revista que só existe na internet, publica uma grande massa de artigos e não exige que os autores apresentem novidades em seus manuscritos – basta que os dados sejam sólidos.

Já a PLOS One tem visto seu fator de impacto cair ao longo do tempo – hoje, o índice é de 3, ante 4,4 em 2010. Para a bióloga Véronique Kiermer, editora executiva das revistas PLOS, a importância do fator de impacto deve ser relativizada em uma categoria de revistas que publica artigos de áreas variadas, cada qual com uma tradição de citação, e é menos restritiva do que periódicos tradicionais, admitindo até mesmo papers sobre pesquisas que chegaram a resultados negativos ou inconclusivos. “Esse tipo de artigo recebe naturalmente poucas citações”, escreveu Kiermer no blog da PLOS em julho. Ela, contudo, defende a divulgação desse tipo de paper como forma de evitar a publicação de resultados parciais ou enviesados de pesquisas. O auge da PLOS One foi registrado no ano de 2013, quando publicou 31.509 artigos. Em 2015, o total anual foi 28.105.

Outro ponto do duelo entre as revistas tem a ver com a capacidade de publicar artigos rapidamente, qualidade muito valorizada por autores que recorrem aos mega-journals. Um estudo recente feito pelo especialista norte-americano em bibliometria Phil Davis comparou os prazos de aceitação e de publicação nos dois periódicos, depois de analisar um conjunto de 100 artigos de cada uma delas. O trâmite de um artigo na Scientific Reports, incluindo todas as etapas do processo de revisão por pares, demorou 99 dias, ante 132 na PLOS One. Depois que o artigo é aceito, a PLOS One publica mais rapidamente: em média em 19 dias, diante de 27 da concorrente. Mas, somando os dois prazos, a vantagem da Scientific Reports foi de 25 dias. Um estudo feito em 2013 por pesquisadores da Finlândia mostrou que o prazo de publicação em revistas científicas tradicionais oscila de nove a 18 meses, dependendo da área do conhecimento.

034-037_Megajournals_250-info2Dados brutos
Outra diferença da revista do grupo Springer Nature está relacionada às exigências feitas aos autores. Enquanto a PLOS One obriga os pesquisadores a disponibilizarem os dados brutos de suas pesquisas em repositórios abertos, a fim de que possam ser consultados por outros pesquisadores, a concorrente do grupo Nature apenas recomenda essa medida de transparência.

Os mega-journals foram uma grande novidade no universo das publicações científicas dos últimos 10 anos. Eles despontaram com um modelo de negócios diferente dos periódicos tradicionais, voltado para a difusão de informação científica na internet. Funcionam em acesso aberto, no qual qualquer interessado pode ler os artigos na web sem pagar por isso. A remuneração não vem de assinaturas nem da comercialização de anúncios, mas exclusivamente de uma taxa paga pelos autores dos artigos – cada paper, depois de submetido à revisão por pares e aceito para publicação, custa determinada quantia. Um fator importante desse modelo é a baixa rejeição de artigos. A PLOS One, por exemplo, publica entre 65% e 70% dos manuscritos que recebe. A Scientific Reports é mais seletiva: publica em torno de 55% dos papers submetidos.

PLOS One dominou o universo dos mega-journals por 10 anos. Com um corpo de revisores de alto nível, desafiou a ideia de que o meio digital on-line era impróprio para a divulgação de conteúdo científico de qualidade, ainda que aceite artigos independentemente do grau de novidade de seus achados. Com isso, acumulou prestígio. “Pesquisadores brasileiros de várias disciplinas sentem-se estimulados a publicar na PLOS One porque a revista é valorizada pela avaliação de vários programas de pós-graduação”, afirma Abel Packer, coordenador da biblioteca eletrônica Scielo Brasil, referindo-se ao sistema Qualis, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que dá um peso elevado para papers publicados nesse periódico em áreas como biotecnologia e engenharias. “Isso não se observa ainda com a Scientific Reports, que é uma revista bem mais nova.” Na PLOS One, autores brasileiros são responsáveis por 1,77% dos registros de artigos, segundo o Science Citation Index Expanded da base de dados Web of Science. Já na Scientific Reports, o país é responsável por 0,6% dos registros de artigos.

O modelo dos mega-journals foi celebrado como uma alternativa mais democrática aos periódicos tradicionais, pois é capaz de publicar uma enorme quantidade de pesquisas, deixando para a comunidade científica a missão de identificar o que há de relevante nesse universo, tarefa que cabe, nos periódicos tradicionais, a um conjunto restrito de revisores. Essa visão dos mega-journals como ferramenta de popularização da informação científica hoje divide espaço com outra avaliação, a de que se tornaram um nicho de mercado altamente lucrativo para editoras. Tanto para a PLOS One quanto para a Scientific Reports, a taxa de processamento de artigo (APC, na sigla em inglês) é de US$ 1.495, o equivalente a pouco mais de R$ 5 mil. Uma particularidade é que o faturamento da revista avança na mesma medida em que ela publica mais artigos. “Multiplique-se isso pelo número de artigos e se chega a mais de US$ 2,5 milhões de receita mensal de um mega-journal. É um negócio tremendamente lucrativo”, diz Rogério Meneghini, coordenador científico da biblioteca eletrônica SciELO Brasil.

034-037_Megajournals_250-info3Lucratividade
No lugar de competir com títulos convencionais, os mega-journals passaram a ter uma relação simbiótica com as revistas mais seletivas, criando economias de escala para as editoras, pondera Stephen Pinfield, professor da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, líder de um projeto de pesquisa que investiga a trajetória e o futuro dos mega-journals, que deve ser concluído em 2017. Manter um mega-journal pode ajudar uma editora a financiar a operação de publicações que lhe dão muito mais prestígio do que dinheiro. Isso é verdade no caso da PLOS One, cuja lucratividade ajuda a manter publicações do mesmo grupo, mas de escopo mais restrito, como PLOS Biology e PLOS Medicine. Um outro lado dessa simbiose é que os mega-journals também podem se beneficiar do prestígio das revistas irmãs – o sucesso do Scientific Reports dentro do grupo Nature parece ser um exemplo disso.

A rapidez da Scientific Reports em publicar artigos também gerou arranhões na imagem da revista. Em maio de 2015, o então editor da publicação, Mark Maslin, renunciou ao cargo em protesto contra uma nova política do grupo Nature, que passou a oferecer a autores a possibilidade de acelerar o processo de revisão por pares por meio do pagamento de uma taxa extra. Segundo Maslin, que é professor de biogeografia da University College London, o novo sistema permite a quem tem dinheiro publicar mais depressa e subverte a igualdade de condições na avaliação que é tradicional no funcionamento das publicações científicas.

À parte o duelo entre os dois principais mega-journals, o futuro desse tipo de publicação envolve um certo grau de incerteza. “Tudo dependerá da forma como o acesso aberto das publicações científicas irá ganhar espaço nos próximos anos”, observa Abel Packer. Ele ressalta o crescimento da tendência de publicar em repositórios de artigos ainda não submetidos à revisão por pares, os chamados pré-prints, levando-os ao escrutínio imediato da comunidade científica. “Um dos principais atrativos dos mega-journals é a publicação rápida, mas nos repositórios a publicação é imediata”, diz. Esse modelo era adotado por poucas áreas da comunidade científica – o repositório arXiv, utilizado pelos físicos há 25 anos, é o principal exemplo –, mas começa a ser adotado em outras disciplinas, como a biologia e as ciências sociais. “Num cenário que parece cada vez mais provável, pesquisadores vão publicar seus achados preliminares em repositórios para só depois, se for o caso, procurar um periódico de prestígio para divulgar um artigo elaborado. Nesse ambiente, os mega-journals poderiam perder seus atrativos”, avalia Packer.

Fonte: Revista Fapesp

Portaria estabelece diretrizes para promoção da alimentação saudável nos ministérios — Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional CAISAN

23/01/2017 10:44

Uma Esplanada mais saudável para todos os servidores. Esse é o objetivo da portaria assinada pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, com o apoio do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA), nessa quarta-feira (26), em Brasília. O documento estabelece uma série de diretrizes para a promoção da alimentação adequada e saudável nos ambientes de trabalho do serviço público federal.

“A portaria é importante porque ela é o exemplo hoje no governo federal. E é um modelo para ser seguido pelos estados, municípios, entidades e por toda a sociedade”, explicou o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do MDSA, Caio Rocha.

A normativa prevê que os ministérios desenvolvam ações de educação alimentar e nutricional, práticas de hábitos de vida e alimentação saudável, avaliações de saúde dos servidores, entre outras estratégias. A portaria é uma ação de Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade coordenada pela Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional (Caisan), que é presidida pelo MDSA.

Além disso, o documento sugere que os refeitórios dos órgãos federais sigam o Guia Alimentar para a População Brasileira e adotem medidas para reduzir a oferta de produtos processados e evitar a de ultraprocessados.

“Temos que adotar as boas práticas de alimentação. Para a organização, isso é excelente, pois previne faltas por doenças e promove a saúde. Por outro lado, o servidor tem o papel disseminador. Somos mais de 1,4 milhão de servidores federais. Se todos falarem sobre o assunto, certamente isso terá um grande impacto na população”, afirmou o secretário de Gestão de Pessoas e Relações do Trabalho no Serviço Público do Ministério do Planejamento, Augusto Akira Chiba.

Ações – No Brasil, 57% da população está acima do peso e 21% da população adulta, obesa. O Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário tem programas e ações para a promoção da alimentação saudável e adequada e, assim, combater o sobrepeso e a obesidade, doenças que decorrem da má alimentação.

O Programa de Aquisição de Alimentos, por exemplo, compra alimentos da agricultura familiar e doa a pessoas em situação de insegurança alimentar e para as que são atendidas pela rede pública de ensino, saúde e assistência social. Do outro lado, o PAA fortalece a agricultura familiar e também contribui para a alimentação de qualidade dos produtores.

A água é outro fator importante na segurança alimentar e nutricional. Graças ao Programa Cisternas, as famílias do Semiárido têm água de qualidade para beber e para produzir frutas, verduras e legumes. Os produtos colhidos vão direto para a mesa das famílias, e o restante pode ser vendido. “Neste governo, nós ampliamos quase o dobro dos recursos que tinham para a política de água no Semiárido e no país”, ressaltou o secretário.

Acesse aqui a portaria

Fonte: CAISAN

MAIS UMA VEZ A FAPERJ FINANCIA A DEMETRA

17/12/2016 12:44

A Demetra obteva, mais uma vez, sucesso no Edital FAPERJ N° 14/2016 “Apoio à publicação de periódicos científicos e tecnológicos institucionais –2016”.

A FAPERJ reitera, assim, seu suporte financeiro À DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde em reconhecimento à qualidade do trabalho apresentado.

ÚLTIMO NÚMERO – DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde v. 11 (2016): NÚMERO TEMÁTICO “ALIMENTAÇÃO, CORPO, GÊNERO E

SUBJETIVIDADE”
Sumário: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/demetra/issue/view/1359

O perigo de publicar em revistas predatórias

17/12/2016 12:07


© LUANA GEIGER

009_290_BoasPraticas_249

Existem publicações acadêmicas, apelidadas de revistas predatórias, que são conhecidas por divulgar papers sem submetê-los a uma genuína revisão por pares – basta pagar para ver o artigo publicado. O pesquisador Alexander Martin, do Colégio de Engenharia da Universidade de Kentucky, nos Estados Unidos, mostrou que o espectro de problemas causados por essas revistas pode ser mais sério do que se imaginava.

 

Martin selecionou revistas de uma lista de mais de mil periódicos, provavelmente predatórios, que é atualizada por pesquisadores da Universidade do Colorado. A meta do pesquisador era submeter aos editores dessas revistas papers que, em condições normais, jamais seriam aceitos para publicação – e ver qual seria a reação deles. A primeira tentativa se deu com uma revista on-line chamada International Journal of Comprehensive Research in Biological Sciences, sediada na Índia. Martin enviou um manuscrito de 153 palavras cujo conteúdo fora copiado de um trabalho de escola feito por seu filho Tristan, de 7 anos, sobre morcegos. O texto reproduzia frases escritas pelo garoto, como “morcegos são animais muito legais” ou “dormem durante o dia e voam à noite”. A revista logo enviou um e-mail pedindo para os autores acrescentarem pelo menos cinco referências. Martin atendeu o pedido. Um novo e-mail informou que o artigo havia sido preliminarmente aceito para publicação. Em anexo, vinha a cobrança de uma taxa de US$ 60.

“Esperava que algumas revistas aceitassem esse tipo de artigo, considerando experiências anteriores, mas isso aconteceu já na primeira tentativa”, disse Martin ao site Retraction Watch, referindo-se a casos como a publicação de artigos falsos e sem sentido produzidos por um programa de computador (ver Pesquisa FAPESP nº 219).

Martin não pagou a taxa. Semanas depois, recebeu um segundo e-mail do editor, cobrando novamente os US$ 60 e apresentando uma nova versão do texto, essa já revisada e pronta para publicação. O manuscrito havia sido completamente reescrito em um linguajar científico – só o título e os autores permaneceram. Sua primeira impressão foi boa, mas logo ele descobriu que havia algo errado: o artigo tornara-se uma colagem de trechos plagiados de dois outros papers, numa fraude praticada pelos próprios editores da revista. “Fiquei chocado ao imaginar que alguém pudesse fazer uma coisa dessas”, disse. “Essas revistas têm um impacto muito negativo na comunidade científica e todos precisam estar conscientes disso.” A revista indiana deixou de existir – seu site saiu do ar em janeiro. Martin registrou as lições tiradas do episódio num artigo publicado na revista Learned Publishing.

Artigo científico
Martin, A. et alA not-so-harmless experiment in predatory open access publishingLearned Publishing. v. 29, n. 4, p. 301-05. out. 2016.

Fonte: Pesquisa Fapesp

NOTA DA ABRASCO – Operação PhD

17/12/2016 12:03
A Associação Brasileira de Saúde Coletiva vem a público defender a rigorosa apuração e esclarecimento de acusações e fatos levantados pela Operação PhD, investigação levada a cabo pela Polícia Federal, sobre utilização de recursos públicos provenientes de convênio realizado entre Fundação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Ministério da Saúde.
Cabe a Abrasco a defesa do direito à saúde e dos meios concretos para assegurá-lo, a saber o Sistema Único de Saúde – SUS, as Universidades e a rede de Programas de Pós-graduação em Saúde Coletiva (no Brasil há 89 programas de Pós-graduação em Saúde Coletiva, responsáveis por boa parte da formação e produção de conhecimentos na área).
Sempre defendemos critérios democráticos e transparentes de distribuição e de utilização de recursos para pesquisa e formação de pessoal.
Por outro lado, vamos lutar para assegurar o amplo direito de defesa aos acusados, reforçando o princípio constitucional de presunção de inocência e condenando a exposição à mídia, por parte de autoridades do poder judiciário, de pessoas que podem ser inocentadas ao longo do inquérito.
A Abrasco, em nome dos Programas de Pós-graduação em Saúde Coletiva, reafirma seu compromisso com a ética e com o constante aperfeiçoamento da gestão pública, reiteramos ainda, nossa posição contra todo e qualquer procedimento que favoreça a corrupção e o mau uso de recursos públicos.
Em defesa da democracia e da justiça social.
Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 2016.
Diretoria da Abrasco
Gastão Wagner de Sousa Campos
presidente

Ciência em palavras

09/12/2016 11:25

Um critério importante de avaliação da produtividade científica de um pesquisador no Brasil é a quantidade e a qualidade dos artigos publicados. Para muitos, eles constituem o principal caminho para a exposição dos resultados de estudos, além de ser o meio pelo qual os pesquisadores constroem sua autoridade científica, ao exporem suas ideias e experimentos realizados por meio de métodos de trabalho reconhecidos como válidos por especialistas da mesma área. Ainda que a maioria dos pesquisadores brasileiros esteja familiarizada com o processo de submissão, avaliação e publicação de artigos científicos, muitos manuscritos são recusados, em geral devido a falhas de redação científica, como resumos incompletos ou conclusões que não deixam claro qual é a novidade do trabalho. Além de bem estruturado, com uma metodologia robusta e resultados convincentes, cada vez mais se reconhece que um artigo científico precisa ser bem escrito para ser aceito em uma boa revista.

Dois artigos ajudam a dar uma dimensão do problema. Em 2011 os editores do Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial publicaram um editorial apresentando um balanço dos trabalhos submetidos entre janeiro de 2009 e abril de 2011. Dos 174 manuscritos enviados para revisão dos pareceristas, 61 foram publicados, 75 foram recusados, 30 estavam em fase de análise e 8 haviam sido aprovados, mas aguardavam publicação. Esses números dão uma ideia do afluxo de trabalhos submetidos à revista e da grande responsabilidade em selecionar os manuscritos pelo mérito científico. Mais recentemente os editores da revista Ciência & Saúde Coletivapublicaram um editorial discutindo os problemas mais comuns dos manuscritos avaliados por seus pareceristas. Segundo eles, a seção introdutória de muitos artigos não apresentava o contexto nacional e internacional de pesquisas relacionadas ao objeto de estudo. A argumentação dos resultados, não raro, era feita de modo descritivo e pouco analítico, e as conclusões ou continuavam a discussão, ao invés de concluí-las, ou fugiam do assunto, apresentando propostas que não resultavam no tema estudado.

Se por um lado os editoriais evidenciam um esforço dessas revistas científicas em criar um canal de diálogo franco e transparente entre editores, pareceristas e autores, de modo a aprimorar a qualidade da produção científica brasileira, por outro, põem em destaque a falta de conhecimento de parte dos pesquisadores brasileiros sobre aspectos metodológicos e de redação científica. “Uma parcela desse problema se deve ao fato de pouquíssimos cursos de graduação e pós-graduação oferecerem disciplinas para ensinar metodologia e redação científica aos alunos”, diz o biólogo Glauco Machado, do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP). “Faltam disciplinas que permitam que os alunos tenham experiências práticas e úteis sobre a redação de um artigo científico.”

Carreiras 249_BoxHá mais de 10 anos Glauco coordena cursos de redação científica em universidades, ONGs e institutos de pesquisa do país (ver Pesquisa FAPESP nº 242). Ele explica que as dificuldades enfrentadas por seus alunos perpassam a falta de noções básicas de gramática. Como resultado, os textos costumam ser confusos e, às vezes, ininteligíveis. Muitos alunos também pensam que a escrita científica deve ser rebuscada, o que os leva a usarem palavras e construções desnecessariamente complicadas. “Em textos científicos, o compromisso do pesquisador precisa ser com a clareza das ideias, e não com a complexidade do texto”, afirma. “Um texto científico deve ser, acima de tudo, uma cadeia de argumentos em prol de uma sequência lógica que pode ser percebida dentro de cada frase.”

Desse modo, Gilson Volpato, do Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista (IB-Unesp), em Botucatu, autor de livros sobre redação científica e professor de redação científica há 30 anos, recomenda algumas estratégias para aprimorar a qualidade do texto dos artigos científicos. A introdução deve apresentar o trabalho e discuti-lo à luz de uma perspectiva mais ampla de pesquisas, enquanto a metodologia deve indicar apenas os procedimentos usados para a obtenção dos resultados. Por sua vez, os resultados devem expor as evidências que fazem parte da história que se pretende contar. Já a discussão deve colocar a metodologia e os resultados em perspectiva diante do que já se sabe sobre o assunto, para mostrar ao leitor a validade e a relevância das conclusões. “É necessário apresentar argumentos sólidos, por meio de um texto conciso, preciso e convincente”, ele diz. De modo mais amplo, Volpato sugere que os autores pensem em títulos como se fossem um pequeno resumo do que foi estudado, fazendo com que os leitores se interessem pelo texto.

A exposição frequente à leitura de artigos, à revisão de manuscritos e à submissão de trabalhos para boas revistas pode ajudar a aumentar a experiência de redação, de acordo com o médico Paulo Abrahamsohn, do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP e professor de redação científica no ICB. “A redação é uma atividade como outra qualquer e para adquirir prática e habilidade é necessário muito treino”, ele diz.

Também é muito comum que as pessoas tenham seus artigos rejeitados porque escolheram o periódico errado (ver Pesquisa FAPESP nº 244). Cada revista tem um escopo característico e aceita tipos particulares de artigos. Assim, é importante que o pesquisador leia as instruções do periódico em que se deseja publicar e veja os tipos de artigos publicados nos últimos anos.“Se o perfil do artigo for adequado, escreva uma boa carta de encaminhamento explicando para o editor por que seu artigo deve ser publicado no periódico dele.”

Fonte: Revista Fapesp

Estudo faz diagnóstico sobre declínio de polinizadores no mundo

09/12/2016 11:22

O uso intensivo de fertilizantes químicos, a destruição e degradação de áreas florestais e o agravamento das mudanças climáticas são as causas do declínio das populações de insetos polinizadores, como abelhas, moscas e borboletas, ao redor do mundo. A conclusão é de um amplo estudo de revisão feito por um grupo internacional de pesquisadores, entre eles a bióloga Vera Lúcia Imperatriz-Fonseca, do Departamento de Ecologia do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP). Em artigo publicado na segunda-feira, 28/11, na revista Nature, a equipe apresenta as principais ameaças associadas à diminuição de espécies polinizadoras em várias regiões do planeta tendo como base dados biológicos e registros da lista vermelha das espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN). No estudo, há ainda indicação de políticas e intervenções que poderiam ajudar a reverter esse cenário.

As abelhas e outros insetos polinizadores são conhecidos por proporcionar uma variedade de benefícios econômicos e ambientais, entre os quais a polinização de plantas e a produção de alimentos são os mais notáveis. No Brasil, as abelhas respondem em média por até 24% do ganho em produtividade agrícola em pequenas propriedades rurais. Também se estima que a exportação global de mel tenha movimentado US$ 1,5 bilhão em 2007. Em 2016, os benefícios obtidos graças à polinização no mundo, os chamados serviços ecossistêmicos, foi calculado em aproximadamente US$ 577 bilhões.

No estudo, os pesquisadores verificaram que as cerca de 20 mil espécies de abelhas conhecidas polinizam mais de 90% das 107 principais culturas do mundo. Não por acaso, 75% da alimentação humana depende direta ou indiretamente da ação de animais polinizadores. O declínio de algumas espécies de abelhas está associado ao processo de industrialização, sobretudo na Europa e na América do Norte, segundo os cientistas. Espécies invasoras de polinizadores também podem causar o desaparecimento ou a diminuição de populações de espécies nativas, como a Bombusdahlbomii, na Argentina. Em algumas regiões da Europa, por exemplo, 9% das espécies de abelhas podem desaparecer nas próximas décadas. É o caso da B. franklinie da B. cullumanus. De acordo com os pesquisadores, as alterações climáticas previstas pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) estão influindo na distribuição geográfica de muitos desses polinizadores a uma velocidade maior do que a capacidade de dispersão desses animais.

Abelha africanizada comum no Brasil (Apes Mellifera), resultado da hibridação de variedades africana e europeia, é responsável pela produção de mel comercializado

Os problemas causados pela perda de polinizadores não se restringem à produção agrícola. Segundo eles, há também impactos negativos na reprodução de plantas silvestres, uma vez que mais de 90% das espécies de plantas tropicais com flores e cerca de 78% das espécies de zonas temperadas dependem, pelo menos em parte, da polinização desses insetos. “O estudo verificou que os polinizadores são significativamente afetados pelo uso de pesticidas, pelas alterações climáticas globais e mudanças no uso da terra”, diz Vera Lúcia, que também é pesquisadora do Instituto Tecnológico Vale (ITV), em Belém, no Pará. “Com base nesse conhecimento, apresentamos algumas ações de políticas públicas para conservação desses animais que devem ser discutidas na Conferência das Partes da Convenção da Diversidade Biológica, entre os dias 4 a 17 de dezembro no México.”

Entre as medidas sugeridas no estudo estão políticas de estímulo a sistemas agrícolas mais diversos, melhor regulamentação do comércio de polinizadores manejados, como as colmeias de abelhas, de modo a controlar a propagação de parasitas e patógenos, e maior investimento na educação dos agricultores sobre o controle de pragas, a fim de reduzir a dependência de pesticidas. “O objetivo é melhorar as condições de vida das populações rurais, conservar a biodiversidade, melhorar as boas práticas de manejo do meio, e direcionar o planejamento para guiar as ações futuras de restauração e conservação”, diz Vera Lúcia. “Garantir a conservação dos polinizadores é retorno certo para a agricultura, biodiversidade e desenvolvimento científico.”

Artigo científico
POTTS, S. G. et alSafeguarding pollinators and their values to human well-beingNature. 28 nov. 2016.

Fonte: Revista Fapesp

Campos cultivados perdem diversidade na Alemanha

09/12/2016 11:10

Na queda-de-braço entre agropecuária e conservação, um enigma é encontrar a medida de quanto se pode alterar um ambiente natural sem destruir suas propriedades ecológicas. A resposta pode ser desanimadora para muitos: uma intensificação de uso da terra entre pequena e moderada já é suficiente para derrubar a diversidade de um ecossistema. Pelo menos em campos na Alemanha, segundo indica um grupo liderado pelo ecólogo alemão Wolfgang Weisser, da Universidade Técnica de Munique (TUM), em artigo publicado no site da revista Nature em 30/11. “Temos que superar essa guerra crônica”, afirma o ecólogo brasileiro Thomas Lewinsohn, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), coautor do estudo junto com Leonardo Ré Jorge, em estágio de pós-doutorado em seu laboratório. “Não há que optar entre produção e conservação, os dois são igualmente desejáveis e necessários.” Essa conjunção se chama sustentabilidade, ele lembra.

O estudo foi feito em três regiões da Alemanha, em cada uma das quais foram estudadas, ao longo dos últimos 10 anos, 50 áreas de campo usadas para pastagem. Classificadas conforme o manejo e a intensidade do uso, parâmetros que levam em conta a densidade de gado (vacas ou ovelhas) no pasto, a frequência e a intensidade de fertilização e o corte regular do pasto para rebrota, essas áreas foram avaliadas quanto à abundância de uma diversidade de organismos de todos os tipos: 4 mil espécies que incluem plantas, animais, fungos, bactérias, habitantes do subsolo, da superfície ou do ar.

Lewinsohn e Jorge contribuíram para a análise dos dados, que inclui modelos ecológicos complexos nos quais o professor da Unicamp é especialista (ver Pesquisa FAPESP nº 248). Os resultados indicam que o uso intensivo da terra leva à perda das espécies mais raras em todas as áreas. Os campos retêm os organismos mais generalistas, com hábitos muito variados, por isso disseminados. O resultado é uma região empobrecida, com biodiversidade uniforme e reduzida – menor diversidade-β, no jargão da área. “Não basta ter algumas áreas menos usadas ou ilhas preservadas”, explica Lewinsohn. “Haverá perda de biodiversidade.” Isso vale tanto para os organismos acima do solo como os subterrâneos. Estes podem parecer insignificantes, mas têm efeitos importantes para as plantas. Um exemplo são as micorrizas, fungos associados às raízes de alguns tipos de plantas que ajudam na fixação de nutrientes do solo, como nitrogênio.

Lewinsohn com o reitor da TUM, ao receber título de embaixador da universidade

Lewinsohn com o reitor da TUM, ao receber título de embaixador da universidade

O que ainda não é possível saber é se os níveis de uso que permitiriam a manutenção do ecossistema seriam economicamente viáveis. “Na Europa a agropecuária recebe muito subsídio, o que dificulta essas contas”, diz o brasileiro. Também resta investigar se os resultados valem para outros tipos de ecossistemas ou para ambientes semelhantes em outros países. O Brasil, por exemplo, é rico em ecossistemas campestres, que muitas vezes são usados como pastos em várias regiões: no Pantanal, nas áreas originárias de Cerrado no Sudeste, no Pampa, em áreas de altitude (ver Pesquisa FAPESP nº 239), mas não há estudos do porte do conduzido pelos alemães. “É urgentemente necessário fazer experimentos desse tipo no Brasil, estudando o espectro biológico de maneira ampla, intensiva e no longo prazo”, defende Lewinsohn.

Não por acaso, o pesquisador estava em Munique no momento da publicação do artigo na Nature. Tinha ido receber o título de “Embaixador da TUM” em solenidade realizada no dia 27/11. Ele e mais oito pesquisadores de vários países, incluindo o engenheiro Edson Bim, também da Unicamp, foram selecionados como reconhecimento aos colaboradores que contribuíram de forma excepcional para o avanço da pesquisa e da inovação realizadas pela universidade. A solenidade incluiu um concerto para o qual é necessário sortear convites, tal a demanda, como parte de três dias em que aconteceram reuniões com o reitor (em almoço com direito a salsichão e cerveja), vice-reitores e conversas com jovens pesquisadores. Sendo um embaixador, Lewinsohn já tem ingresso garantido para outro concerto disputado: o que comemorará os 150 anos da TUM em 2018, no estádio olímpico da cidade.

Artigo científico
GOSSNER, M. M. et al. Land-use intensification causes multitrophic homogenization of grassland communitiesNature. on-line, 30 nov 2016.

Fonte: Revista Fapesp

INSCRICOES ABERTAS PARA O EDITAL DA FUNDACAO CONSERVACAO, ALIMENTACÃO E SAÚDE

09/12/2016 11:02
Remetente    : 8 – GERENCIA DE CAPTAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS
Referente a  : INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O EDITAL DA FUNDAÇÃO CONSERVAÇÃO, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Criada em 1985, a Fundação Conservação, Alimento e Saúde busca promover a conservação dos recursos naturais, melhorar a produção e distribuição de comida, e melhorar a saúde no mundo em desenvolvimento.

O financiamento médio dos projetos aprovados no edital da Fundação e de 20 mil dólares.

A Fundação apoia projetos especiais e programas das organizações da sociedade civil nas áreas de conservação, alimentação e saúde.

São duas fases para aprovar projetos na Fundação, sendo que a primeira exige um documento de apenas duas paginas, em inglês. Também são dois prazos para o ano de 2017: 01 de janeiro e 01 de julho.

Mais informações em: http://cfhfoundation.grantsmanagement08.com/